Subjetividade da informação e checagem de fake news: quem vigia os vigilantes?

Larissa Castelo Branco
Larissa Castelo Branco
Bibliotecária em hiatus que se aventura na escrita, revisora textual, metida a cinéfila e apaixonada por Comunicação e Literatura. Em constante batalha contra a desinformação e a histeria coletiva, aprendeu com a esquerda como um ser humano não deve ser.

Larissa Castelo Branco questiona a credibilidade das benevolentes e seletivas “agências de checagem” de notícias falsas. A informação é um bem subjetivo, uma vez que parte de seu significado provém da percepção individual do receptor: a forma de receber, assimilar, interpretar e propagar a informação seria reflexo de aspectos do meio social e político. A…

Este conteúdo é exclusivo para assinantes da Revista Esmeril. Assine já e confira as matérias dessa edição e de todo nosso acervo.
Assine ou faça seu login Login

2 COMENTÁRIOS

Comentários estão fechados.

Abertos

Últimos do Autor