31 C
São Paulo
quinta-feira, 27 janeiro, 2022

Por que Hitler declarou Guerra aos Estados Unidos da América?

Revista Mensal
Jonas Buccinihttp://www.revistaesmeril.com.br
Patriota, Conservador e Entusiasta da História Militar!

Em discurso inflamado, ocorre a declaração de guerra contra os EUA

No dia 11 de dezembro de 1941, quatro dias após o ataque japonês a Pearl Harbor no Hawaii e o consequente ingresso dos EUA no conflito (com uma declaração americana de guerra contra o Império Japonês), a Alemanha Nazista declara guerra aos Estados Unidos. Ainda que este, até o momento, tenha mantido uma posição de neutralidade em relação ao Reich.

O USS Shaw explode durante o ataque japonês a Pearl Harbor (Hawaii), em 07 de Dezembro de 1941. Créditos: https://ushistoryscene.com/article/december-7-1941/

A Alemanha Nacional-Socialista não tinha nenhuma obrigação legal de declarar guerra contra os Estados Unidos da América. Pois, sob o Pacto Tripartite (também conhecido como Pacto do Eixo), de Setembro de 1940, uma ação como esta só estaria prevista se os membros do bloco fossem vitimas de um ataque, e não agentes da agressão. Como fora no caso do ataque japonês à base americana de Pearl Harbor, a qual Hitler não recebera sequer um aviso prévio por parte dos japoneses.

Adolf Hitler declarando guerra à América, 11 de dezembro de 1941.
Adolf Hitler anuncia a Declaração de Guerra Contra os Estados Unidos no Reichstag, em 11 de Dezembro de 1941. Colorido. Créditos: https://rarehistoricalphotos.com/adolf-hitler-declaration-war-usa-1941/

Para piorar o cenário de desorganização entre os países do bloco, a decisão de declarar guerra fora tomada quase inteiramente por Adolf Hitler, isto é, à revelia dos seus aliados internos ou externos (teremos um artigo especialmente sobre esta desorganização das potências nacionalistas do Eixo).

Adolf Hitler discursa no Reichstag em Berlim após declarar guerra aos EUA.  (Foto de Heinrich Hoffmann / ullstein bild via Getty Images)
Adolf Hitler discursa no Reichstag em Berlim após declarar guerra aos EUA. (Foto de Heinrich Hoffmann / ullstein bild via Getty Images)

Para compreender melhor essa estranha decisão estratégica de Adolf Hitler, temos de nos ater ao contexto do mês de dezembro de 1941. O líder nazista estava visivelmente conturbado e impactado com o revés alemão às portas de Moscou devido a questões de logística — e o inverno precoce.

Soldados alemães rumo a Moscou. Dezembro de 1941. Créditos: historycollection

No dia 19 de dezembro de 1941, Hitler substituiria diversos generais e marechais do alto comando e assumiria pessoalmente o controle do Exército Alemão. Esse mês marcou o ápice da megalomania e prepotência de uma mente que alçava capacidades maiores as que realmente possuía.

Adolf Hitler e membros do Alto Comando Alemão. Créditos: https://wallhere.com/da/wallpaper/1620005

A declaração de guerra inesperada e desnecessária contra os Estados Unidos fora possivelmente uma reação ideológica de escape psicológico do próprio cabo austríaco perante as pressões da conjuntura do momento, e não apenas de propaganda a fim de elevar a moral dos partidários nacionais-socialistas depois que suas investidas contra Moscou fracassaram. O discurso de Hitler estava carregado com um latente teor ufanista.


”Embora um renascimento sem precedentes da vida econômica, da cultura e da arte tenha ocorrido na Alemanha sob a liderança nacional-socialista no espaço de poucos anos, o presidente Roosevelt não conseguiu realizar nem mesmo as menores melhorias em seu próprio país. E, no entanto, esse trabalho deve ter sido muito mais fácil nos EUA, onde vivem apenas 15 pessoas em um quilômetro quadrado, contra 140 na Alemanha. Se tal país não conseguiu garantir a prosperidade econômica, isso deve ser resultado da má-fé de seus líderes no poder, ou de uma total ineficiência por parte desses mesmos líderes. Em apenas cinco anos os problemas econômicos foram resolvidos na Alemanha e o desemprego fora superado.

(…)

Desde que a minha última proposta de paz de julho de 1940 fora rejeitada, percebemos que essa luta deve ser travada até às últimas consequências. Que o mundo anglo-saxão-judeu-capitalista se encontre agora na mesma frente com o bolchevismo não surpreende a nós, nacional-socialistas: sempre os tivemos como inimigos comuns. Concluímos a luta com sucesso dentro da Alemanha e destruímos nossos adversários após 16 anos de luta pelo poder. Quando, 23 anos atrás, decidi entrar na vida política e tirar esta nação de seu declínio, eu era um soldado desconhecido e sem nome. Muitos de vocês sabem como foram difíceis os primeiros anos desta luta. Desde o momento em que o Movimento I era composto por sete homens, até que assumimos o poder em janeiro de 1933.

(…)

Hoje estou à frente do exército mais forte do mundo, da mais preparada força aérea e de uma orgulhosa marinha. Atrás de mim e ao meu redor está o Partido com o qual me tornei grande e que se tornou grande por meu intermédio. Os inimigos que vejo diante de mim são os mesmos de 20 anos atrás, mas o caminho ao longo do qual olho para a frente não pode ser comparado àquele para o qual olho para trás. O povo alemão reconhece a hora decisiva da sua existência; milhões de soldados cumprem o seu dever, milhões de camponeses e operários alemães, mulheres e jovens, produzem pão para a pátria e armas para a frente de combate. Somos aliados de povos fortes, que na mesma necessidade se deparam com os mesmos inimigos. O presidente americano e sua camarilha plutocrática zombaram de nós como os que não têm, isso é verdade, mas os que não têm farão para que não sejam roubados do pouco que têm.”

– Trechos do discurso no qual Adolf Hitler declara guerra aos Estados Unidos da América, 11 de Dezembro de 1941. Créditos: https://www.jewishvirtuallibrary.org/hitler-s-speech-declaring-war-against-the-united-states


Saudação Nacional-Socialista após Adolf Hitler declarar Guerra contra os Estados Unidos no Reichstag, em 11 de Dezembro de 1941. ©Photo credit: National Digital Archives, Polan

Declaração formal de guerra da Alemanha contra os Estados Unidos


”O Governo dos Estados Unidos tendo violado da maneira mais flagrante e em medida cada vez maior todas as regras de neutralidade em favor dos adversários da Alemanha; e tendo sido continuamente culpado das provocações mais severas contra a Alemanha desde a eclosão da guerra europeia, provocada pela declaração de guerra britânica contra a Alemanha em 3 de Setembro de 1939, finalmente recorreu a atos militares abertos de agressão.

Em 11 de Setembro de 1941, o Presidente dos Estados Unidos declarara publicamente que havia ordenado à marinha e à força aérea americanas ordens contundentes de abrir fogo à vista de qualquer navio de guerra alemão. Em seu discurso de 27 de outubro de 1941, mais uma vez afirmou expressamente que esta ordem estava em vigor. Atuando sob tal ordem, as embarcações da marinha americana, desde o início de setembro de 1941, atacaram sistematicamente as forças navais alemãs. Assim, destroieres americanos, como por exemplo o Greer, o Kearny e o Reuben James, abriram fogo contra submarinos alemães de acordo com o plano. O próprio secretário da marinha americana, Sr. Knox, confirmou que os destroieres americanos atacaram submarinos alemães.

Além disso, as forças navais dos Estados Unidos, por ordem de seu governo e contrariamente ao direito internacional, trataram e apreenderam navios mercantes alemães em alto mar como navios inimigos.

O Governo Alemão estabelece, portanto, os seguintes fatos:

Embora a Alemanha, por sua vez, tenha aderido estritamente às regras do direito internacional em suas relações com os Estados Unidos durante cada período da presente guerra, o Governo dos Estados Unidos, desde as violações iniciais da neutralidade, finalmente procedeu a atos de guerra contra a Alemanha. O Governo dos Estados Unidos praticamente criou um estado de guerra.

O Governo alemão, em consequência, rompe as relações diplomáticas com os Estados Unidos da América e declara que, nas circunstâncias trazidas pelo presidente Roosevelt, também a Alemanha, a partir de hoje, considera-se em estado de guerra com os Estados Unidos da América.

Aceite, Senhor Encarregado de Negócios, a expressão da minha elevada consideração.”

– Ministro das Relações Exteriores do Reich Joachim von Ribbentrop, 11 de Dezembro de 1941. Créditos: https://www.conservativeusa.net/eo/1941/war.htm


Referência

The Decision That Cost Hitler the War, The New York Times, acessado pela última vez em 11 de Dezembro de 2021 – https://www.nytimes.com/2021/11/19/books/review/hitlers-american-gamble-brendan-simms-charlie-laderman.html


”Enquanto a filosofia que declara uma raça superior e outra inferior não for finalmente e permanentemente desacreditada e abandonada; enquanto não deixarem de existir cidadãos de primeira e segunda categoria de qualquer nação; enquanto a cor da pele de uma pessoa não for mais importante que a cor dos seus olhos; enquanto não forem garantidos a todos por igual os direitos humanos básicos, sem olhar a raças, até esse dia, os sonhos de paz duradoura, cidadania e governo irão continuar a ser uma ilusão fugaz, a ser perseguida mas nunca alcançada.”

Liga das Nações, Discurso da Majestade Imperial Haile Selassie I (Ras Tafari), Imperador da Etiópia, 1936

Assine Esmeril e tenha acesso a conteúdo de Alta Cultura. Assine!
- Advertisement -spot_img

1 COMENTÁRIO

  1. Uma comissão de diplomatas japoneses visitou Hitler às 10h da manhã, no mesmo dia em que o Japão atacaria Pearl Harbour às 16h da tarde. Quando deram a notícia do ataque a Hitler ele ficou em silêncio por algum tempo e em seguida, estendendo a mão aos diplomatas, simplesmente lhes desejou “boa sorte” e se retirou. Existem livros muito bons contando em detalhes como os EUA prepararam Pearl Harbour como uma armadilha para atrair os japoneses visando justamente entrar em guerra com a Alemanha. Li há muitos anos um livro escrito por um judeu alemão afirmando expressamente como os sionistas americanos criaram as duas guerras mundiais. O pai de John Kennedy, que foi diplomata na Inglaterra, falava a mesma coisa, dizia que “judeus americanos criaram está guerra”. A Alemanha produzia bens muito mais baratos e melhores e vários países estavam preferindo comprar somente da Alemanha e abandonando as empresas judaicas. Recomento também a palestra de 1960 do judeu Benjamim Freedman, sionista bilionário convertido ao cristianismo, que tambem confessa que os judeus criaram as duas guerras mundiais e por quê. Existe o áudio e sua transcrição no YouTube. Quase todos os livros de história escritos sobre a II Guerra são puro lixo escrito por vencedores medíocres, canalhas e mentirosos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

A TERCEIRA GUERRA MUNDIAL JÁ COMEÇOU?

Guerra Biológica (Vírus), Guerra Psicológica (Mídia), Guerra Econômica (Embargos) e Guerra Cibernética (Instabilidade em Aplicativos) “A guerra não é mais...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img