21.9 C
São Paulo
domingo, 28 novembro, 2021

Hoje na História: Portugal e Inglaterra celebram a mais antiga aliança diplomática do Ocidente

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

A Aliança Luso-Britânica, instituída na Idade Média, mais tarde influenciaria a política no Brasil

No dia 13 de junho de 1373 era celebrada, entre os reinos de Portugal e Inglaterra, a Aliança Luso-Britânica. Aliança que fora ratificada somente em 1386, quando os representantes do rei de Portugal, D. João I, e do rei da Inglaterra, Richard II, deram por terminadas as negociações entre as duas coroas e assinaram um tratado de amizade perpétua e ajuda mútua entre os dois reinos.

Embora atualmente a aliança não seja amplamente utilizada, o acordo, durante a história, fora de crucial importância para a superação das dificuldades que ambos os países enfrentaram durante o decurso dos acontecimentos políticos. Objetivamente, alianças políticas são celebradas para garantir os interesses das partes. A Inglaterra ganhou no âmbito das questões de sucessão dos tronos no continente; ganhou também com a facilidade para importar, de Portugal, produtos como azeite de oliva e vinho; e com o apoio militar durante os diversos conflitos nos períodos medieval e moderno.

O rei George da Inglaterra e o presidente de Portugal, o Óscar Carmona, são representados neste antigo pôster em comemoração à aliança entre os dois países.

Portugal ganhou sobretudo o apoio no âmbito militar. Graças à Aliança Luso-Britânica, os lusitanos obtiveram dos ingleses a ajuda necessária para escapar da espada de Napoleão. Lembremos que a armada britânica escoltara a corte real portuguesa quando da transferência desta de Lisboa para o Rio de Janeiro, em 1808. Em retribuição, a Inglaterra ganhara o privilégio sobre os portos do Reino Unido de Portugal Brasil e Algarve que agora se abriam às nações amigas. Os acordos da Aliança Luso-Britânica eram o pano de fundo desses acontecimentos.

No século XX, quando o mundo quase padeceu sob os horrores da I e II Guerra Mundial, a Inglaterra pôde estabelecer bases militares em vários dos territórios lusitanos. Portugal mantivera-se neutro nos conflitos, tomando partido apenas no âmbito diplomático, em honra da antiquíssima Aliança. A mais recente invocação dos termos do acordo, no entanto, aconteceu em 1982, durante os conflitos da Guerra das Malvinas. As bases militares dos Açores estiveram novamente à disposição da Marinha Real Britânica.

Com informações do portal History UOL e do site RTP Ensina.

“A diplomacia sem as armas é como a música sem os instrumentos”.

Otto von Bismarck.

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img