23.5 C
São Paulo
sábado, 28 maio, 2022

RESENHA | Idade Média, o que não nos ensinaram

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

A autora do livro foi uma mulher na contramão do consenso acadêmico de sua época

Autores como Alexis de Tocqueville, Johan Huizinga, Eric Voegelin, Christopher Dawson, Ortega y Gasset, Olavo de Carvalho e outros, talvez mais uma meia-dúzia, explicam, cada um a seu modo, como a propaganda anticristã veiculada durante o Iluminismo fora determinante para a formação da opinião pública no Estado Moderno.

A imagem que temos da Igreja Católica e daquela sociedade que cresceu sob a sua autoridade espiritual e moral, a sociedade medieval, é, invariavelmente, negativa. Fundamentados num conjunto carcomido de clichês, os propagandistas anticatólicos e antimedievais tentam, há três séculos pelo menos, dar verossimilhança à ideia de que a sociedade precisa libertar-se das amarras da religião e entregar-se integralmente à administração dos homens de ciência.

Um único fato basta para desconfiar de suas propostas: o Estado Moderno, em nome dos mais esdrúxulos projetos de transformação político-social, encomendou a morte de mais pessoas do que todas as guerras, catástrofes naturais e doenças da Idade Média e da Antiguidade somadas. A conclusão é óbvia: vivemos sob o governo viciado da Democracia, aquele que Aristóteles, no livro III da Política, identificou como Demagogia.

O âmbito acadêmico, gênese de um sem-número de esquisitices que impactam a esfera cultural, funciona como uma espécie de megafone para a propaganda anticatólica. Poucos foram os historiadores sinceros o bastante para denunciar o status quo relativo às narrativas, à formação da opinião pública, à imagem da História veiculada pelas Universidades. Régine Pernoud consta no rol dos historiadores sinceros — e, ipso facto, as bibliografias dos cursos de humanas no Brasil dificilmente subscrevem o seu nome.

Sob a perspectiva dos acadêmicos desta terra, Régine é uma quimera: uma mulher erudita, do meio universitário, mas que não tomou o partido do “empoderamento” feminino. Não. A historiadora francesa dedicou sua longa vida à investigação da Idade Média realizada livremente, sem as amarras dos compromissos ideológicos firmados — desconfiadamente — entre aqueles intelectuais cujo único propósito na vida é a conquista do prestígio acadêmico.

Dona de uma prosa fluida, agradável e clara, Régine trata, no seu Idade Média, o que não nos ensinaram, dos preconceitos que levaram ao descaso, no âmbito do ensino, com a historiografia daquele período. Não só. No livro, a historiadora tece comentários lúcidos sobre o desenvolvimento da arte e o papel da mulher naquela sociedade. Facilmente pode-se supor que o livro não é profundo, talvez seja verdade, mas o valor objetivo da obra está no fato de apresentar novas perspectivas sobre um período histórico tão injustiçado.


Compre o livro AQUI.


“Residência e peregrinação, realismo e fantasia, tais são os dois polos da vida medieval, entre os quais o homem evolui sem o menor incômodo, unindo um e outro e passando de um a outro com uma facilidade que não voltou a recuperar desde então”.

Régine Pernoud

Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

Esmeril Editora e Cultura. Todos os direitos reservados. 2022
- Advertisement -spot_img

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img