22 C
São Paulo
quinta-feira, 26 maio, 2022

RESENHA丨Os Sofrimentos do Jovem Werther

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Escrito em formato epistolar, o romance de Goethe inspirou o fim trágico de muitos leitores

Quando publicou Werther, em 1774, Johann Wolfgang von Goethe tinha por volta dos seus 25 anos. Escrita com elementos autobiográficos, a história surpreendeu os leitores do longínquo século XVIII — e ainda surpreende, é claro — por dois aspectos essenciais: sob o formato de cartas, os capítulos curtos fazem do leitor um confidente, ainda que, na realidade construída pela narrativa, o leitor não seja o destinatário das cartas, ele participa das confidências do narrador. O segundo aspecto surpreendente, de arrancar lágrimas dos mais sensíveis, é o desfecho da narrativa.

Os sofrimentos do jovem Werther é um livro consagrado, qualquer coisa que se diga sobre ele, portanto, será provavelmente repetitiva e, quiçá, enfadonha, desagradável. Não há, entretanto, risco na leitura e releitura desta prosa de Goethe. Tendo a consciência de que a Literatura é o registro das possibilidades humanas, o leitor participa, experiencia aquela realidade. As crônicas jornalísticas da segunda metade do século XVIII falavam, em tom alarmante, de gravíssimos acontecimentos protagonizados principalmente por jovens com uma curiosa vinculação: eram leitores de Werther.

Desde aquela época formularam-se explicações para o porquê de centenas — talvez milhares — de leitores em toda a Europa levarem a participação nos sofrimentos do Werther às últimas consequências. Dois séculos depois da publicação do livro de Goethe, por volta dos anos 1970, um termo técnico fora cunhado para nomear o conjunto daquelas tragédias: Efeito Werther. Uma boa história, do tipo verossímil para a alma racional, é aquela que consegue não somente propor ao leitor um mero conjunto de possibilidades, mas convidá-lo, com irresistível eloquência, a vivê-las na realidade.

É claro que aquilo fora um exagero, uma atitude extremada fruto da imaturidade dos leitores. Dos maus leitores. Ninguém em sã consciência deixar-se-ia levar pelas sugestões absurdas de uma leitura impactante. Contudo, como as crônicas do século XVIII e a tônica das discussões mais banais da atualidade, não só no âmbito da Literatura mas no da Filosofia e, sobretudo, da Política atestam, as pessoas deixam-se levar pelas leituras com trágica facilidade. Leia, sim, o Werther de Goethe, leitor, procurando observar, longe de qualquer propensão histérica, que o valor da obra está em demonstrar que aqueles sentimentos não envelhecem e capengam; eles são eternos.

Primeira edição d’Os Sofrimentos do jovem Werther em alemão, 1774. Fonte: domínio público.

Referência: Johann Wolfgang von Goethe, Werther, Abril Editora, 1ª edição, São Paulo, fevereiro de 1971, tradução de Galeão Coutinho.

“Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira”.

Goethe

Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img