23.5 C
São Paulo
sábado, 28 maio, 2022

RESENHA | A Revolução dos Bichos

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

A fábula de George Orwell é uma história do nosso tempo

Eric Arthur Blair, o escritor mundialmente conhecido pelo pseudônimo de George Orwell, fora um profeta. No século XX poucos foram os escritores que souberam alertar — e admoestar — a humanidade acerca dos perigos que ameaçavam não só a liberdade, mas a própria vida humana. O Nazismo e o Comunismo que, à época da publicação de Animal Farm, em 1945, já haviam ceifado mais de cem milhões de almas, é parte da terrível realidade apresentada sob o delicado véu da fábula.

Os animais que viviam sob o regime de uma espécie de “absolutismo humano” decidem, depois de ouvirem o discurso inflamado — e altamente demagógico — de um porco, pegar em armas e tomar o controle da Fazenda do Solar. O fazendeiro, um alcoólatra arruinado, apesar de inicialmente resistir à rebelião, não vê outra alternativa senão deixar a sua propriedade à mercê dos seus próprios animais amotinados. E eis que o Ancien Régime chega ao fim.

Na Fazenda do Solar, antes da revolução, os animais eram mantidos com o mínimo necessário para viver e trabalhar. Agora, sob uma espécie de regime de exceção, do governo provisório de Napoleão — um porco sagaz –, os animais rejubilam-se com a promessa de que, doravante, viverão na mais plena e igualitária abundância. Uma nova ideologia, a doutrina do Animalismo, fora estabelecida como fundamento para todas as ações políticas e sociais da fazenda cujo nome alterara-se para Fazenda dos Bichos.

Com a expulsão de Mr. Jones, o antigo soberano, os animais (não todos, somente os porcos) instalaram-se na casa grande onde tiveram acesso a todas as odiosas benesses dos seres humanos. Tudo quanto lhes trazia à memória o Homem era-lhes objeto de ódio: roupas, acessórios, móveis, o retrato da rainha Vitória sobre a lareira, as confortáveis camas dos quartos, tudo. Os porcos, os mais inteligentes dentre os animais, passaram a conduzir demagogicamente a nova realidade político-social da fazenda.

Com os antigos livros didáticos dos filhos de Mr. Jones, os suínos aprenderam a ler e, nos primeiros meses pós-revolução, decidiram alfabetizar os outros bichos da fazenda. Mas estes eram tremendamente estúpidos; alguns eram incapazes de decorar mais do que quatro letras do alfabeto. Para o governo dos porcos, no entanto, bastava que os animais — ou alguns deles — fossem capazes de ler os Sete Mandamentos do Animalismo inscritos na parede de um dos galpões da fazenda:

I. Tudo que andar sobre duas patas é inimigo;

II. Tudo que andar sobre quatro patas ou tiver asas é amigo;

III. Nenhum animal usará roupas;

IV. Nenhum animal dormirá em uma cama;

V. Nenhum animal beberá álcool;

VI. Nenhum animal matará outro animal;

VII. Todos os animais são iguais.

Inicialmente, todos seguiram à risca os princípios do Animalismo. Os porcos, no entanto, sob os pretextos mais esdrúxulos imagináveis, foram, pouco a pouco, descumprindo os mandamentos da revolução. Tão logo falhavam na observância de um dos preceitos, tratavam de, na calada da noite, alterá-lo a fim de que os animais (que tinham memória curta) não desacreditassem da nova conjuntura.

Por exemplo, num dado momento, os porcos passaram a dormir nas camas da casa grande. Os animais, tão logo tomaram ciência do atentado contra o IV mandamento da revolução, correram até a parede do galpão na qual a lei estava inscrita a fim de comprovarem o pecado dos porcos. Poucos sabiam ler e quase todos tinham memória curta; e àqueles que tinham alguma inteligência, como o burro, faltavam-lhes disposição em ajudar, preocupação verdadeira com o outro.

Não sem uma boa dose de sofreguidão, aqueles que podiam começaram a ler a quarta linha dos mandamentos e, quando chegaram ao final, tiveram uma surpresa: IV. Nenhum animal dormirá em uma cama com lençóis. Os animais não tinham certeza se “com lençóis” estava ali antes e, com a explicação dos porcos de que os lençóis eram objetos humanos odiosos, eles foram convencidos a aceitar a ideia de que os porcos podiam dormir em camas — desprovidas de lençóis.

Sob argumentos “científicos” colhidos nos livros e periódicos na biblioteca da casa grande — cujo acesso só era franqueado aos porcos –, os suínos estabeleceram que a melhor e maior porção de toda a comida produzida na fazenda iria para os seus pratos — de porcelana. Os animais foram convencidos depois de lhes ser explicado que os suínos, por cuidarem de todo o trabalho intelectual da administração da fazenda, precisavam da melhor comida.

Com o tempo, o Camarada Napoleão (os animais tratavam-se uns aos outros pelo adjetivo camarada), o porco manda-chuva, passou a ser venerado como um verdadeiro deus; alguém que concentrava em si a personificação da lei e da justiça. As bênçãos e as maldições da vida cotidiana vinham em nome dele. Uma galinha que produzira uma boa ninhada de ovos, disse: “Sob a guia de Nosso Líder, o Camarada Napoleão, eu botei cinco ovos em seis dias!”. O principal aspecto moral dos bichos é uma perda gradativa do senso da realidade. Qualquer semelhança com o miúdo da Coréia do Norte ou com o “Xi Xi Ping” da China é a mais pura verdade.

Semanalmente, os animais eram obrigados a participar de demonstrações civis de honra à memória da revolução. Hasteavam uma bandeira verde na qual um chifre e uma pata perfaziam, quando vistos de longe, a silhueta de uma foice e um martelo. A vida era dura: havia racionamento de comida para todos, exceto para os porcos; os dias de trabalho, que seriam reduzidos de acordo com uma das promessas da revolução, eram mais longos e extenuantes do que foram na época de Mr. Jones. Mesmo assim, muitos dos bichos afirmavam ser gratos à revolução e ao Camarada Napoleão por tê-los liberto do jugo dos Homens.

Nesta fábula, Orwell não critica somente os modelos totalitários do Nazismo e do Comunismo que ele testemunhara em sua época. Não. Ele convida o leitor a observar não só o quadro geral de uma nova conjuntura totalitária para a qual, desde o término da II Guerra Mundial, o mundo caminha. Não. Em sua fábula, Orwell traça o perfil do cidadão que está no centro da nova conjuntura; sua psicologia, sua disposição moral. Este cidadão não só é ignorante, mas moralmente desviado, corrompido; ele aceita ser cúmplice da destruição do seu semelhante porque perdeu de vista a única coisa objetivamente importante: a realidade.


Compre o livro com um super desconto na Livraria Bruna Torlay.


“Todos os animais são iguais, mas alguns animais são mais iguais que outros”.

VII Mandamento do Animalismo com sórdido acréscimo

Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

Esmeril Editora e Cultura. Todos os direitos reservados. 2022
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img