RESENHA丨Sonetos de Camões

Vitor Marcolin
Vitor Marcolin
Ganhador do Prêmio de Incentivo à Publicação Literária -- Antologia 200 Anos de Independência (2022). Nesta coluna, caro leitor, você encontrará contos, crônicas, resenhas e ensaios sobre as minhas leituras da vida e de alguns livros. Escrevo sobre literatura, crítica literária, história e filosofia. Decidi, a fim de me diferenciar das outras colunas que pululam pelos rincões da Internet, ser sincero a ponto de escrever com o coração na mão. Acredito que a responsabilidade do Eu Substancial diante de Deus seja o norte do escritor sincero. Fiz desta realidade uma meta de vida. Convido-o a me acompanhar, sigamos juntos.

O poeta português soube dar forma estética aos seus sofrimentos

A poesia, assim como a Arte, existe porque a vida não basta. E a vida não basta para se explicar, para responder a todas as perguntas que, não obstante, a própria vida se faz. Há qualquer coisa no curso da existência que aponta para o além, para a Eternidade, para a fonte do amor. Na lírica camoniana este mistério é celebrado.

Luís Vaz de Camões viveu, provavelmente, de 1525 a 1580, período que coincide com o esplendor de Portugal, talvez a principal potência do mundo na época. Camões celebra, em Os Lusíadas (1572), as conquistas da nação portuguesa obtidas em confronto com os árabes, com os espanhóis e com os mares — inimigo mui temível no século XVI.

No entanto, para além de cantar as glórias do passado nacional mediante a poesia épica, o poeta dedicou-se também às investigações do indivíduo no âmbito da sua complexidade amorosa através da poesia lírica. Em ambos os esforços de compreensão, Camões baseara-se na sua experiência pessoal e na tradição literária da Antiguidade Clássica e do Humanismo italiano.

Ele próprio trilhou o arriscado caminho para o Oriente, sobreviveu a tempestades, naufrágios e amores proibidos. Contudo, fora a sua frequência aos estudos das humanidades, dedicando-se ao latim, à literatura antiga, à mitologia, à astronomia e à geografia que lhe dera os instrumentos necessários à investigação do espírito humano.

E é esta força de compreensão da condição humana que se faz presente tanto nOs Lusíadas, quanto nas redondilhas, nas canções e nos sonetos. Nestes, em especial, o poeta dedica-se à contemplação da beleza feminina, orientando-se pelo Neoplatonismo italiano.

Camões entende o amor como um meio para o aprimoramento do caráter. Saber amar era uma delicada virtude no Renascimento; virtude que, sob as idealizações poéticas, transformara-se em disciplina filosófica. O hábito aproximava o homem do seu Criador, na exata medida em que apurava o conhecimento da Beleza, projeção máxima do esplendor divino. Em Camões, o amor confunde-se com o Logos, só atingindo a plenitude da existência mediante a expressão verbal. O poeta é um contemplativo.

Amor é um fogo que arde sem se ver,

é ferida que dói, e não se sente;

é um contentamento descontente,

é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;

é um andar solitário entre a gente;

é nunca contentar-se de contente;

é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;

é servir a quem vence o vencedor;

é ter, com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor

nos corações humanos amizade,

se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Camões, Sonetos

Busque Amor novas artes, novo engenho,

para matar-me, e novas esquivanças;

que não pode tirar-me as esperanças,

que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!

Vede que perigosas seguranças!

Que não temo contrastes nem mudanças,

andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto

onde esperança falta, lá me esconde

Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto

um não sei quê, que nasce não sei onde,

vem não sei como, e dói não sei por quê.

Camões, Sonetos

Sete anos de pastor Jacob servia

Labão, pai de Raquel, serrana bela;

mas não servia ao pai, servia a ela,

e a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,

passava, contentando-se com vê-la;

porém o pai, usando de cautela,

em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos

lhe fora assi negada a sua pastora,

como se a não tivera merecida,

começa de servir outros sete anos,

dizendo: “Mais servira, se não fora

para tão longo amor tão curta a vida”.

Camões, Sonetos

Com informações da coletânea dos Sonetos de Camões editada pela Ateliê Editorial Editora, 6ª edição revista e ampliada, comentada e anotada por Izeti Fragata Torralvo e Carlos Cortez Minchillo, Cotia, SP, 2020.

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes da Revista Esmeril.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Abertos

Últimos do Autor

CONTO丨Agenda