23.7 C
São Paulo
domingo, 5 dezembro, 2021

RESENHA丨Sonetos de Camões

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

O poeta português soube dar forma estética aos seus sofrimentos

A poesia, assim como a Arte, existe porque a vida não basta. E a vida não basta para se explicar, para responder a todas as perguntas que, não obstante, a própria vida se faz. Há qualquer coisa no curso da existência que aponta para o além, para a Eternidade, para a fonte do amor. Na lírica camoniana este mistério é celebrado.

Luís Vaz de Camões viveu, provavelmente, de 1525 a 1580, período que coincide com o esplendor de Portugal, talvez a principal potência do mundo na época. Camões celebra, em Os Lusíadas (1572), as conquistas da nação portuguesa obtidas em confronto com os árabes, com os espanhóis e com os mares — inimigo mui temível no século XVI.

No entanto, para além de cantar as glórias do passado nacional mediante a poesia épica, o poeta dedicou-se também às investigações do indivíduo no âmbito da sua complexidade amorosa através da poesia lírica. Em ambos os esforços de compreensão, Camões baseara-se na sua experiência pessoal e na tradição literária da Antiguidade Clássica e do Humanismo italiano.

Ele próprio trilhou o arriscado caminho para o Oriente, sobreviveu a tempestades, naufrágios e amores proibidos. Contudo, fora a sua frequência aos estudos das humanidades, dedicando-se ao latim, à literatura antiga, à mitologia, à astronomia e à geografia que lhe dera os instrumentos necessários à investigação do espírito humano.

E é esta força de compreensão da condição humana que se faz presente tanto nOs Lusíadas, quanto nas redondilhas, nas canções e nos sonetos. Nestes, em especial, o poeta dedica-se à contemplação da beleza feminina, orientando-se pelo Neoplatonismo italiano.

Camões entende o amor como um meio para o aprimoramento do caráter. Saber amar era uma delicada virtude no Renascimento; virtude que, sob as idealizações poéticas, transformara-se em disciplina filosófica. O hábito aproximava o homem do seu Criador, na exata medida em que apurava o conhecimento da Beleza, projeção máxima do esplendor divino. Em Camões, o amor confunde-se com o Logos, só atingindo a plenitude da existência mediante a expressão verbal. O poeta é um contemplativo.

Amor é um fogo que arde sem se ver,

é ferida que dói, e não se sente;

é um contentamento descontente,

é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;

é um andar solitário entre a gente;

é nunca contentar-se de contente;

é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;

é servir a quem vence o vencedor;

é ter, com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor

nos corações humanos amizade,

se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Camões, Sonetos

Busque Amor novas artes, novo engenho,

para matar-me, e novas esquivanças;

que não pode tirar-me as esperanças,

que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!

Vede que perigosas seguranças!

Que não temo contrastes nem mudanças,

andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto

onde esperança falta, lá me esconde

Amor um mal, que mata e não se vê.

Que dias há que na alma me tem posto

um não sei quê, que nasce não sei onde,

vem não sei como, e dói não sei por quê.

Camões, Sonetos

Sete anos de pastor Jacob servia

Labão, pai de Raquel, serrana bela;

mas não servia ao pai, servia a ela,

e a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,

passava, contentando-se com vê-la;

porém o pai, usando de cautela,

em lugar de Raquel lhe dava Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos

lhe fora assi negada a sua pastora,

como se a não tivera merecida,

começa de servir outros sete anos,

dizendo: “Mais servira, se não fora

para tão longo amor tão curta a vida”.

Camões, Sonetos

Com informações da coletânea dos Sonetos de Camões editada pela Ateliê Editorial Editora, 6ª edição revista e ampliada, comentada e anotada por Izeti Fragata Torralvo e Carlos Cortez Minchillo, Cotia, SP, 2020.

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img