19.4 C
São Paulo
domingo, 5 dezembro, 2021

Hoje na História: renúncia de Deodoro

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

O primeiro Presidente da República renunciou sob ameaças de um bombardeio sobre a capital federal

No século XIX a ideia da República no Brasil manifestou-se primeiro como uma inspiração positivista entre as classes falantes do país. Um contingente de intelectuais, jornalistas, políticos, grandes proprietários e membros do exército abraçaram o ideal da mudança do regime. No entanto, como atesta a História, as mudanças bruscas no âmbito político-social não vingam porque carecem de legitimidade popular; e, quando malogram esta regra, subsistem tão somente pela força das armas, pela coerção.

A queda da Monarquia Brasileira, como fartamente atestam as crônicas da época, os jornais e, não sem má vontade, os livros de História, fora um evento que, por não contar com o apoio popular e com parte da classe intelectual, tomara os exatos contornos de um golpe militar. O novo regime inaugurou no país uma nova era: a era da indissociável ligação entre o autoritarismo e o atraso, a intromissão do Estado e a instabilidade econômica, os interesses rasteiros da política miúda e o permanente subdesenvolvimento.

O povo que, nas palavras do historiador José Murilo de Carvalho, assistira a queda de D. Pedro II bestializado, vira-se, da noite para o dia, com fuzis apontados para o seu nariz: todos quantos não aceitassem que a Monarquia chegara ao seu termo e que a República agora seria a nova forma de governo no Brasil estavam condenados à censura, à perseguição, à prisão, ao exílio e, não raro, à morte. A barafunda do novo regime era tão absurda que, nos meses que se seguiram ao 15 de novembro, muitos apoiadores da República — homens de talento como Ruy Barbosa — declararam-se publicamente preocupados com os descaminhos que o golpe militar impusera ao Brasil.

A desassistência aos escravos recentemente libertos — objetivamente abandonados pela República incipiente que priorizara a importação de mão-de-obra europeia –, as crises de corrupção, a crise econômica profunda — o Encilhamento — e a crescente insatisfação popular abalaram os já frágeis alicerces do suposto regime “democrático”. À época, as forças armadas contavam apenas com o Exército — principal braço do regime ilegítimo — e a Armada, a atual Marinha, que permanecera em grande medida fiel à Monarquia.

Deodoro, que se fizera integralmente como homem público, militar e político graças aos favores do Imperador, parecia conduzir o novo regime arrependido por tê-lo feito; o homem terminou os seus dias amargurado. No dia 23 de novembro de 1891, o aflito Marechal, depois de resistir sem bravura, decidiu renunciar à Presidência da República. Ele só o fez, a bem da verdade, porque o Almirante Custódio de Melo, indignado com o autoritarismo do Marechal ao ordenar o fechamento do Congresso Nacional, a 3 de novembro, ameaçou bombardear o Rio de Janeiro, a então capital federal.

Deodoro cedeu, renunciou e retirou-se da vida pública. Morreu em agosto do ano seguinte. Floriano Peixoto, cognominado o “Marechal de Ferro”, assumiu a Presidência promovendo uma violenta repressão aos apoiadores da Monarquia — ordenando, inclusive, o fuzilamento de milhares de monarquistas.

O Brasil continua …

Com informações do portal History UOL e do livro Carvalho, José Murilo de, Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi, Cia das Letras Editora, São Paulo, SP, 2019.

“Isto [a proclamação da República] foi um mal; a Nação ficou atônita e as opiniões divergentes não se puderam pronunciar. Ainda há de haver revoluções, e o sangue que não correu a 15 de novembro ainda há de correr”.

Marechal Deodoro da Fonseca

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img