19.4 C
São Paulo
quinta-feira, 28 outubro, 2021

Hoje na História: morte de Machado de Assis

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Os reformadores sociais não conseguem “ressignificar” o trabalho do maior escritor brasileiro

Cercado por amigos e admiradores, Machado de Assis morreu no dia 29 de setembro de 1908. Ainda em vida, o escritor responsável por criar a Academia Brasileira de Letras, fora considerado um talento extraordinário; e, depois de sua morte, recebeu a justa alcunha do maior homem de letras que o Brasil já dera ao mundo. Machado fora o exemplo perfeito da nova classe média que ascendera ao fim do Império.

Originalmente pobre, o escritor, sempre em busca dos seus objetivos, da realização dos seus sonhos, galgara os mais altos patamares da sociedade da corte. De pobre rapaz aprendiz de tipógrafo a fundador da Academia Brasileira de Letras. Alguns biógrafos salientam, não sem exageros, o extremo esforço que Machado, na condição de rapaz pobre e, pasmem, de mestiço, teve de despender para atingir os seus objetivos, cumprir o seu dever, atender à sua vocação.

Não surpreende que a universidade brasileira, mera redação da propaganda ideológica, esforce-se para vender a imagem do grande escritor como garoto propaganda das causas de “representação” e “ressignificação” social. A molecada ingênua recém-chegada ao campus compra, praticamente sem nenhum esforço, a narrativa dos professores adeptos das ideias da Escola de Frankfurt, dos mestres do conhecimento que pregam a Democracia, a defesa do Estado Democrático de Direito, a religião da Ciência e, no entanto, ensinam unilateralmente somente os representantes de uma única corrente de pensamento.

Da realidade só o que se pode fazer é fugir e se esconder, como o casal no Éden. Sabe-se que, nas últimas duas décadas do Império, no período que coincidiu com o final da Guerra do Paraguai, surgiu no Brasil — especialmente na corte do Rio de Janeiro — uma nova classe média que congregava escritores, jornalistas, dramaturgos, médicos, engenheiros, advogados, músicos e pessoas livres que passaram a atuar na consolidação da identidade nacional do país.

Esta nova classe média apresentava um elemento que a diferenciava de todas as outras do mundo à época: era composta por um percentual significativo de miscigenados. Os mestiços faziam-se presentes em todas as classes sociais, em todas as repartições públicas, redações de jornais, partidos políticos, organizações religiosas e militares. Lá estavam eles, os filhos dos brancos com as negras, das lusitanas com os caboclos, dos ibéricos com as mulheres de Pindorama ativos e operantes na consolidação da cultura e da sociedade brasileira.

Há poucos anos antes do início do século XX o Brasil já experimentava os frutos daquilo que, décadas mais tarde — já na República — Gilberto Freyre vai chamar de Democracia Racial. Exemplo maior fora Machado de Assis. O escritor tomou posse da alta cultura, impregnou-se dela e, consciente deste senso de universalidade que só a Literatura detém, escreveu para sempre o seu nome na História daqueles que se dedicam à causa do entendimento da condição humana. Sem ajuda do governo, sem verbas estatais, sem cotas raciais, sem a piedade dos líderes dos movimentos sociais, só com a virtude do mérito, objetivamente.

Com informações do portal History UOL e dos livros Pereira, Lúcia Miguel, Machado de Assis, estudo crítico e biográfico, Livraria do Senado Federal, Brasília, 2019; Corção, Gustavo, O desconcerto do mundo, Vide Editorial, São Paulo, 2019; e Filho, Barreto, Introdução a Machado de Assis & outros ensaios, TopBooks editora, Rio de Janeiro 2014.

“Está morto: podemos elogiá-lo à vontade”.

Machado de Assis

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img