23.6 C
São Paulo
domingo, 19 setembro, 2021

Hoje na História: é travada a batalha de Waterloo

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

O conflito que determinou o fim do domínio napoleônico matou cerca de 100 mil combatentes

Depois de assombrar o mundo com a sua inteligência e talento para a conquista militar Napoleão, que fugira do seu exílio na ilha de Elba, encontrava-se novamente na condução de um exército. Desta vez, no entanto, o maior comandante militar desde Alexandre da Macedônia encontraria a amarga derrota. Em Waterloo, um vilarejo na atual Bélgica, as tropas napoleônicas, que somavam um contingente de 125 mil homens e 25 mil cavalos, seriam derrotadas pelos exércitos aliados da Prússia e Inglaterra.

Na manhã daquele longínquo e memorável 18 de junho de 1815, Napoleão Bonaparte decidiu conquistar a posição ocupada pelas tropas inglesas; os canhões do Imperador francês deveriam fazer chover fogo sobre os inimigos. Nos dias precedentes, várias batalhas foram travadas entre Napoleão e os exércitos aliados, todas com milhares de perdas humanas para ambos os lados. Agora, o Comandante-em-Chefe francês decidira pôr um termo a tudo. O que restara dos seus homens enfrentaria um contingente de 93 mil soldados das forças aliadas.

Choveu torrencialmente nos campos de Waterloo na noite anterior à batalha, o solo tornara-se um charco. Caminhar com espadas, baionetas e todos os antiquados apetrechos do uniforme era agora tarefa árdua; para somar às dificuldades da marcha, os soldados tinham que transportar os pesados canhões. Certamente, as intempéries da natureza somaram no conjunto de fatores que levaram Napoleão à derrota, no entanto, não fora este o motivo principal de seu definitivo revés. Um novo equipamento bélico apresentara-se nos campos de batalha de Waterloo naquele dia: as granadas. Estima-se que cerca de 100 mil homens tombaram na batalha.

Com informações do portal History UOL, e do site DW.

“Há ladrões que não são castigados embora nos roubem aquilo que é mais precioso: o tempo”.

Napoleão Bonaparte

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img