23.6 C
São Paulo
domingo, 19 setembro, 2021

Hoje na História: D. Leopoldina e a Independência

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Antes do brado do marido, a mulher já cuidara das tratativas da Independência do Brasil

Não é incorreto dizer que a imaginação, quando considerada sob o aspecto coletivo principalmente, siga o calendário e ocupe-se dos temas do momento. No carnaval, por exemplo, as pessoas, na ânsia de abrandar a mortificação imposta pela Quaresma, soltam a franga em revoadas. Muitos dos temas do calendário têm importância regional, mas há dois deles pelo menos que, tanto sob o aspecto religioso quanto sob o civil, são celebrados por todos os brasileiros: o Natal e a Independência.

Ambas as celebrações são objetos de uma fúria absolutamente descabida. Joy to the world, Adeste Fidelis e Hallelujah são tão obscenas quanto um Heil Hitler; caminhar de verde e amarelo na Av. Paulista sob o compasso de “Brava gente brasileira longe vá, temor servil” é um crime inafiançável. Mas, voltando à imaginação, a Independência do Brasil está eternizada naquela fórmula estética de D. Pedro em trajes de gala, de espada em riste e montado no lombo de um alazão.

Esta história não se passou exatamente assim, como se sabe. A finalidade do quadro de Pedro Américo era representar, numa síntese simbólica, a grandeza da nação que nascia. O grito, a disenteria, a mula ao invés do cavalo, as roupas simples de viagem, os poucos homens ao invés do séquito, a desconstrução desses elementos são temas frequentes nas aulas miseráveis de História ministradas nas escolas de Norte a Sul do país.

E, claro, para contribuir com a desconstrução, com a relativização, com a crítica, o autor desta matéria se propõe a informar ao leitor que, antes do grito de D. Pedro, D. Leopoldina já assinara o Decreto da Independência. No dia 2 de setembro de 1822, por ocasião da ausência de D. Pedro, que fora a São Paulo solucionar conflitos políticos, D. Leopoldina, como Princesa Regente do Brasil e sob os conselhos de José Bonifácio, assinou o Decreto.

Burburinhos políticos inundavam a corte no Rio de Janeiro, D. Pedro não estava; era necessário que alguém dotado de perspicácia tomasse uma decisão em favor do Brasil. Leopoldina cumpriu com louvor o seu papel de mulher, de esposa, de auxiliadora, de Imperatriz. Ela provou que tinha o domínio, o entendimento necessário da conjuntura do momento e, amparada pela amizade intelectual de José Bonifácio, fez no âmbito da diplomacia o que o marido chancelaria depois, às margens do Ipiranga.

Com informações do portal History UOL; da Enciclopédia História do Brasil, da Folha de S.Paulo, e do livro História do Brasil, Piletti Nelson, Ática Editora, Rio de Janeiro, 1999.

“Senhor, ninguém mais que vossa

esposa deseja vossa felicidade, e ela vos diz que Vossa Alteza deve ficar e fazer a felicidade do povo brasileiro, que vos deseja como seu soberano”.

José Bonifácio em carta a D. Pedro I.

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img