Ex-secretario insiste em repudiar acusações de nazismo e evita apontar culpa de terceiros pelo vídeo que causou sua demissão

O ex-secretário especial de cultura, Roberto Alvim, decidiu se pronunciar em definitivo sobre sua ainda recente exoneração do Governo Federal. Segundo o diretor teatral, esta será sua última palavra sobre o incidente ocorrido na última sexta-feira (17/01).

Em carta aberta, Alvim expressa seu total descontentamento e tristeza, assim como de sua família, reforçando que o texto usado no polêmico vídeo que causou sua demissão não teria sido sabotagem, mas um completo equívoco – e por falta de checagem de sua parte. Ele também desprezou ligação ou simpatia por qualquer teor nazifascista.

Segue, na íntegra, o desabafo de Roberto Alvim, publicado neste domingo (19/01), além de áudio gravado pelo mesmo, complementando que seus assessores não tiveram culpa no incidente.

Eu, Roberto Alvim, afirmo a quem interessar possa:

Escrevi o texto do meu discurso no vídeo, a partir de várias fontes e ideias, que me chegaram de muitos lugares.

Meus assessores Denia Magalhães, Alessandro Loiola, Alexandre Leuzinger e Marco Frenete não têm NADA a ver com a escritura.
Eu afirmo que não sabia que aquela frase tinha uma origem nazista, porque a frase em si não tinha nenhum traço de nazismo, por isso não percebi nada errado ali…

Mas errei terrivelmente ao não pesquisar com cuidado a origem e a associações de algumas frases e ideias. E assumo a responsabilidade por meu erro. Perdi tudo por causa desse erro terrível. A ópera Lohengrin foi postada por minha mulher pouco tempo antes no Facebook, por puro acaso.


Acho a ópera linda, e a coloquei por se tratar da ópera escrita após a conversão de Wagner ao cristianismo. O que quero dizer é que não houve NENHUMA má-intenção da minha parte. Peço perdão à toda a comunidade judaica, por quem tenho profundo respeito e amor.


Dei a meu filho no fim do ano passado uma camiseta de ISRAEL, que ele usou ao meu lado em minha mensagem de Natal em redes sociais.

Afirmo com todas as minhas forças que tenho total repúdio pelo nazismo, assim como por quaisquer outros regimes genocidas. Como cristão, jamais me associaria com assassinos.

Foi tudo uma série terrível de eventos e coincidências que levaram a essa catástrofe… Estou orando sem parar. Estou agora cuidando da minha família.


Essa é minha prioridade nesse momento: minha esposa e meu filho pequeno, que estão destroçados.

Perdão a todos que decepcionei e feri. Nunca tive essa intenção. Tudo o que fiz tinha como objetivo promover uma arte e uma cultura dignas e belas no Brasil.

Fiquem com Deus.

Roberto Alvim

Gostou da matéria? Assine nossa Revista mensal aqui.

1 Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This div height required for enabling the sticky sidebar
Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views :