1. Saúde da mulher: tensão pré-menstrual 

Até um estado temporário da saúde da mulher foi sequestrado pelos esquerdistas: a TPM. As feminazis se apropriaram do tema e usam a TPM para propagar aquelas besteiras de sempre. Menstruar virou arte. Usar a ovulação como tintura é quebrar padrões na luta contra o sexísmo.

Uau!  Já viram o “homem” feministo lambuzado de sangue? Ou pior, a TPM das “mulheres” trans? Sem palavras para essa gente. Cuidado, o ministério da saúde adverte: a doença da inversão de valores pode ser mais contagiosa que o vírus chinês. Para não esticarmos o tópico besteiras irrelevantes, abreviemos o problema geral com uma  frase de Nelson Rodrigues:

“Feministas querem reduzir a mulher a um macho mal-acabado”.

Feito esse desabafo, falaremos a seguir o que realmente interessa: é possível reduzir os efeitos negativos da TPM?

A TPM é o período que precede a menstruação. Durante a fase, podem aparecer sintomas psicológicos e físicos, que podem desaparecer no primeiro dia do fluxo menstrual e, em algumas mulheres, somente com o fim do fluxo.

A principal causa da TPM é a alteração hormonal durante o período menstrual, que interfere no sistema nervoso central. Parece existir uma conexão entre os hormônios sexuais femininos, as endorfinas (substâncias naturais ligadas à sensação de prazer) e os neurotransmissores, tais como a serotonina. Então, dentre os sintomas emocionais podemos citar depressão, tristeza e vontade de chorar, irritabilidade, ansiedade, insônia, fome em excesso ou falta de apetite, sonolência, dificuldade de concentração, cansaço. Já a dor de cabeça, fome em excesso ou falta de apetite, sonolência, acne, aumento de peso, inchaço nas mamas, dores osteomusculares e distensão abdominal são sintomas físicos.

Muitas mulheres acham normal a ocorrência frequente desses sintomas. NÃO É.

A medicina alopática não lida com a raiz do problema, apenas com os sintomas. É comum os médicos receitarem anticoncepcionais e antidepressivos para remediá-los. Mas já não é novidade os problemas à saúde gerados pelo uso de antidepressivos e anticoncepcionais.

Então, para se combater a TPM, vale mais ingerir vegetais, cereais integrais, frutas secas e oleoginosas, alimentos com vitamina B6, magnésio e ácido fólico, portanto, que ajudam a transformar o triptofano em serotonina (hormônio que aumenta a sensação de bem-estar). Salmão, atum e sementes de chia, por sua vez, são alimentos ricos em ômega 3, uma substância anti-inflamatória que ajuda a diminuir dores de cabeça e cólica abdominal. Sementes de girassol, azeite, abacate e amêndoas são muito ricos em vitamina E, o que reduz a sensibilidade dos seios. Abacaxi, framboesa, abacate, figo e hortaliças como espinafre e a salsinha são alimentos naturalmente diuréticos, combatendo a retenção de líquido. Tampouco devemos esquecer de diminuir ou eliminar a ingestão dos alimentos que podem intensificar o desconforto, como os embutidos e outros alimentos ricos em sal e gordura (caldos de carne e enlatados), assim como alimentos gordurosos, especialmente as frituras.

Além disso, é preciso evitar bebidas com cafeína, como guaraná ou álcool. Todos estes alimentos pioram os sintomas da TPM, aumentando a retenção de líquidos e o desconforto abdominal. Os alimentos ricos em açúcar tampouco são indicados durante a TPM. Mas como é relativamente comum a mulher sentir uma necessidade louca de consumir doces, 1 quadrado de chocolate meio amargo (70% cacau) até ajuda. E por fim, mas não menos importante, a prática de exercício físico é essencial para aliviar a TPM, seja atividades curtas de alto impacto, ou longas de baixo impacto.

2. Culinária

Para receita de hoje, termos um prato que ajuda a evitar sintomas severos da TPM: Salmão grelhado com salada tropical.

Salmão grelhado:

  • Salmão em filés 
  • Sal de flor 
  • Azeite de oliva

E só… Não estrague o salmão inventando moda. Só sal de flor, que é rico em minerais, e azeite são suficientes para valorizar o prato.

Preparo:

Salpique sal de flor sobre o filé de salmão dos dois lados e deixe descansar por 10 minutos. Em uma frigideira aquecida ponha 1 colher de sopa de azeite de oliva e coloque o salmão com a pele virada para a frigideira, deixe dourar a pele, vire e deixe por mais alguns minutos. Não deixe por mais que 3 minutos para não ressecar o peixe. 

Salada tropical:

  • 1 xícara de abacate (nem maduro, nem tão verde) cortado em laminas de 3mm
  • ½ xícara de cebola roxa cortada em rodelas finas
  • 1 xícara de repolho ralado
  • 1 xícara de alface americana picada
  • ½ xícara de tomate picado em cubos de 2x2cm
  • ½ xícara de pepino picado em cubos de 2x2cm. Se for fresco (a), retire as sementes e casca
  • 1 colher de café de sal
  • 1 colher de café de cúrcuma (açafrão da terra)
  • ½ colher de café de pimenta do reino
  • Suco de meio limão
  • 3 colheres de sopa Azeite de oliva 

Preparo:

Ponha primeiro o suco de limão, sal, azeite, cúrcuma e pimenta do reino no ball ou saladeira e misture bem. Acrescente o abacate e os demais ingredientes e mexa. 

3. As mulheres ganham menos que os homens?

A discriminação das mulheres, apenas por serem mulheres, explica por que a população feminina, maioria na sociedade, ainda ganha menos que os homens, está mais suscetível ao desemprego, cumpre maiores jornadas e ocupam a maioria dos postos informais de trabalho. As mulheres ganham menos devido ao assédio sexual sofrido no trabalho”. 

Estas e outras besteiras são faladas e faladas exaustivamente todos os anos que sai por aí alguma pesquisa do tipo, ou até trabalhos “científicos” realizados por mestres ou doutores analfabetos funcionais, orientado por algum professor universitário ideólogo comunista e/ou simplesmente picareta. Façam suas apostas para ver a disputa de quem ganha menos, e olha que tem mais de 50 tipos. Enfim, este pessoal inepto tortura a estatística, distorce tudo e faz associações absurdas com aparência lógica. São anacrônicos presos à época da primeira revolução industrial.

A última pesquisa sobre o tema divulgada pelo IBGE (2018) conclui que, na média, as mulheres ganham 20 % menos que os homens. A premissa é verdadeira desde que se desconsidere tipo de emprego, produtividade, idade inicial e término da atividade. Então, entre os fatos que explicam essa diferença estão: as mulheres têm em média mais anos de estudo e começam a trabalhar mais tarde; interrompem a carreira com mais frequência (dedicação à maternidade e à casa); têm uma jornada um pouco menor que a dos homens e tendem a se concentrar em ocupações que remuneram menos e com pouco risco físico. 

Podemos citar trocentos exemplos aqui: alguém já viu uma mulher ensacando amianto, pendurada no poste de alta tensão ou batendo laje? Eu já vi mulher caminhoneira, balseira e até piloto de avião, vide a piloto do presidente Bolsonaro. Sim, toda “regra” tem suas exceções. Já vi também lésbicas enfrentando serviços mais sujos e pesados e com a mesma produtividade que os homens. Será que as feminazis querem transformar as mulheres em sapatões raiz (pezinho feito na régua, camisa branca e busto peludo)? Vai saber, né?

E por falar nas exceções, alguém já viu babá masculino? Raro. Modelos masculinos ganham igual à mulherada? E pedagogos? Geralmente conseguem cargo como diretor de escola ou coordenador. É mais raro vê-los nos jardins de infância. Certa vez, vimos a lutadora Honda responder a uma jornalixo lacradora:

“eu acho que o quanto que você é pago tem a ver com o quanto de dinheiro você dá de retorno”. 

Assim, não existe desigualdade salarial, levando-se em conta os fatores produtividade, risco, fidelidade ao emprego, etc. Se houvesse diferença nos salários, então os empresários só iriam contratar mulheres. Ademais, é ilegal diferenciar salários para mesma função atribuída.

Portanto, estes exemplos tão comuns e óbvios são inerentes a estrutura de nossa sociedade, que apesar de dinâmica, conserva certos preceitos fundamentais como as diferenças entre homem e mulher. 

fim
Revista Esmeril - 2020 - Todos os Direitos Reservados

1 Comments

  1. O que creio pertinente observar é que TPM é a expressão frustrada do CIO!
    Quando a mulher não consegue ser fêmea por conta das agendas estabelecidas, as manifestações de fêmea, sobretudo o CIO, são castradas e geram catalizações, catarses deletérias.
    A supressão do cio, graças à negação da feminilidade e alavancação do “racional”, garantiu o surgimento da TPM!
    Se observarmos o cio ocorria quando o útero estava engurgitado de nutrientes (sangue) e óvulos estavam maduros prontos para serem inseminados. E não por acaso, o nome de TPM é tensão pré menstrual, e a mulher menstrua porque tem um útero engurgitado de nutrientes alocados para um óvulo fecundado e um óvulo que já “gorou”, a solução é expulsar tudo, pois não há forma de realocar o sangue na circulação, e nem pode, pois se já tiver havido sexo embora não tenha acontecido a fecundação há risco septsemico no sangue, que recebeu as cacas do membro masculino!
    Se observarmos a dinãmica comportamental de mulher com TPM, elas ficam irrascíveis, agressivas, típicas respostas de frustração! Ou seja, coibidas em suas feminilidades viscerais (aquela que faz a mulher sexuar com o mais possante e não com o mais “adequado”, macho eficaz é em primeiro lugar INDOMÁVEL, é agressivo e NUNCA OBEDECE AOS OUTROS, ELE É ALFA, logo sob a ótica social é o mais perigoso, mas sob a ótica da feminilidade é o MACHO!), acabam frustradas e todos em volta (circulo de convivência) são entendidos INIMIGOS, castradores canhestros desconhecedores dos fatos (o que é fato, tanto é que, graças aos modelos impostos pela sociedade como macho adeqaudo só nos levou ao patamar de aceitação de buraco de fezes como órgão sexual, e estupradores vivos), e dignos de receber toda a fúria borbulhante de uma fêmea que foi proibida de ter uma real manifestação de fêmea!
    O uso do sangue como protesto por mulheres é pertinente, pois ferida em seus direitos e FISIOLOGIAS, sangram abundante! Só que quem mais sangra é a humanidade inteira que se entregou a degeneração perene, a estupidez perene, ao ocaso da espécie!
    Sangramos todos, e em breve todos defecarão, pois seguindo a toada, muito em breve ânus de fecalopata reivindicará o direito de menstruar também, e hemorróida não é material nutritivo engurgitado, é uma ferida, um rompimento de vaso, logo será preciso que a materia prima produzida pelo “órgão sexual” ânus verta abundante.
    Nossa sociedade é coprolagna, acha nojento o sangue menstrual, mas acha pertinente brincar com esgoto corporal!

    Agradeço pela atenção e espaço cedido.

    Obrigado

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This div height required for enabling the sticky sidebar
Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views :