23.6 C
São Paulo
domingo, 19 setembro, 2021

RESENHA丨Um lugar silencioso

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Carregado de referências simbólicas sobre os nossos dias, o filme destoa das produções comercias de Hollywood pela qualidade e profundidade da narrativa

Desde O regresso (The Revenant), de 2015, eu não assistia a um filme tão bom. Lembro de ter me impressionado com a fotografia, a ambientação histórica e a narrativa que apresentava o choque de civilizações sem a maquiagem do politicamente correto. O engajamento do DiCaprio nas causas ambientalistas não o deixou cafona nas telas; ele segue direitinho o roteiro e as ordens do diretor. O longa metragem cuja estreia acompanhei, Um lugar silencioso (A Quiet Place), foi melhor.

Um lugar silencioso conseguiu atingir um ponto de equilíbrio entre os efeitos especiais, a ambientação e um nível de simbolismo incomum. Eu digo incomum por dois aspectos: primeiro, os filmes produzidos por Hollywood nos últimos anos prezam antes pelo impacto comercial, imediato que a trama, frequentemente superficial, pode render, do que pelas possibilidades de reflexão sobre qualquer situação existencial real. Claro. Depois, é comum que filmes comerciais apresentem uma dimensão simbólica tão profunda quanto a presença dos slogans do McDonald’s ou da Coca-Cola inseridos subliminarmente em algum canto da tela.

Não foi o que eu vi em Um lugar silencioso. O filme, em suma, faz referências simbólicas ao estado de coisas atual. A chegada súbita da pandemia, simbolizada pelas criaturas assassinas que caem do céu; a imposição de uma nova rotina na vida das pessoas, que passam a viver isoladas; a condição de silêncio absoluto, sem o qual a vida, já gravemente afetada pelo isolamento, torna-se praticamente impossível; a realidade da adaptação à ausência da tecnologia, o grande trunfo é o bom e velho sinal de rádio que tem a extraordinária vantagem de vulnerabilizar as criaturas assassinas, expondo-as à morte. O filme é ambientado nos nossos dias, o curioso é que a salvação está no sinal de rádio, não no 5G de internet.

É claro que os conflitos humanos estão presentes. Os filhos do casal Abbott enfrentam o caminho para o amadurecimento, a filha mais velha Regan, que é surda, é quem descobre um jeito de livrar-se dos monstros, depois que o pai morre heroicamente para salvá-los. A mãe, a brava Evelyn, torna-se a responsável por proteger a família; sua coragem desperta no momento em que ela da à luz a um bebê que, para protegê-lo da morte, coloca-o num baú sempre quando as criaturas espreitam, atraídas por qualquer ruído. O filho mais velho Marcus Abbott, com muita dificuldade, encontra a maturidade; a cena em que ele se vê na posse de um aparelho de rádio (para confundir a criatura com a frequência do sinal) e um revólver, com os quais, depois de tanto hesitar, mata um dos monstros, simboliza o seu efetivo amadurecimento. Um lugar silencioso (parte I e II) fala de sobrevivência, heroísmo, cumprimento do dever e senso de sacrifício.

A principal mensagem do filme dirigido por John Krasinski (que também atua; ele interpreta Lee Abbott, o pai da família), é a da importância do domínio da linguagem para a efetiva manutenção da vida. A guarda do silêncio absoluto é o fator que impede que os monstros de origem extraterrestre os encontre, mas o domínio da linguagem, cujo símbolo são as referências à língua de sinais, é o que garante que esta vida sob opressão tenha um rumo, um propósito. A família Abbott, que vivia numa fazenda, para se comunicar com Regan, a filha deficiente auditiva, já dominara o código da linguagem de sinais antes da chegada dos monstros, todos sabem se comunicar sem a necessidade de usar palavras. Em um mundo no qual silêncio é sinônimo de vida, saber falar sem usar palavras é fundamental. Em função desta vantagem, a família consegue manter um relativo estado de desenvolvimento, de subsistência na fazenda. A comunicação é eficiente. Enquanto os sobreviventes da região vivem no mais completo isolamento, passando fome e toda sorte de dificuldades, os Abbott vivem em relativa bonança, tudo porque se comunicam com eficácia.

“Quem somos nós, se não pudermos protegê-los? Quem somos nós?”.

Regan Abbott.

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img