18 C
São Paulo
sábado, 28 maio, 2022

RESENHA | Braz, Quincas & Cia

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

“É o melhor romance brasileiro que li nos últimos anos” — Olavo de Carvalho

Antonio Fernando Borges é um daqueles escritores que valem por uma escola. Explico-me: escrever é dar uma forma verbal bem-acabada às suas experiências com a realidade. A realidade à qual o adjetivo destacado se refere é a perfeita união entre a forma e o conteúdo. O escritor-escola não é aquele que simplesmente tem algo a dizer, senão que o faz com exemplar domínio do idioma. Pudera, o autor é professor de Arte da Escrita; daí que lê-lo vale por uma escola.

É evidente que o ápice da consolidação do estilo só é alcançado depois de anos de labuta, de esforço concentrado, da lide com o idioma. O autor de Braz, Quincas & Cia (Cia das Letras, 2002) tem precisamente essa característica: escreve com beleza e sabedoria; aprendeu, depois de décadas, a dar uma forma graciosa não às ideias originais, mas às ideias verdadeiras. E não é assim que se deve escrever?

Apesar da evidente influência do bruxo do Cosme Velho — que, como o leitor descobrirá, não se limita somente ao título –, o romance de Antonio Borges é a história da nossa época. Para além de Machado de Assis, a presença de Jorge Luis Borges e Ortega y Gasset também podem ser sentidas (ou pressentidas) neste romance que tem gosto de ensaio. A narrativa, embora fictícia, é um estudo de psicologia das massas.

Um autor defunto vê-se num quarto de hotel barato às voltas com as suas “memórias póstumas” quando, subitamente, é tomado de assalto por um mistério. Por vias estranhas, um estranhíssimo livro cai-lhe nas mãos. Seu autor, que atende pelo nome de J. Deus & Silva, estabelece os princípios de uma doutrina maligna: o fim completo do indivíduo; a redenção pelo anonimato; a rima fácil felicidade/igualdade. No centro da teia do enredo, retorcendo-se como que isca de aranha, está o livro do Deus & Silva.

O imprescindível na grande Literatura é a invocação (ou denúncia) do status quo cultural, social, religioso, psicológico, moral, filosófico e (por que não?) político do momento. A grande Literatura também dá forma ao mal que assola a condição humana. E há mal maior do que o fato de seguirmos, a galope largo, para a mais completa destruição do indivíduo? É evidente: trata-se de uma utopia; tão crível quanto a dinâmica da economia socialista. No entanto, como dizem ensaístas e romancistas, quem toma o poder trata logo de levar adiante os seus projetos utópicos — sem dar a mínima àqueles que morrem pelo caminho.

Braz, Quincas & Cia é, na forma, um tributo ao nosso maior escritor: Machado de Assis. No conteúdo é a construção, pela via das digressões, da ironia e do diálogo com o leitor, de uma grande denúncia: o coletivismo é uma ilusão. Sob uma trama fascinante, o autor delineia uma realidade na qual fragmentos da sua própria memória, impressões de experiências passadas e reflexões sobre a vida concatenam-se para dizer ao leitor o que há de errado com o mundo. À sua maneira, o autor escreve com a pena da galhofa mergulhada na tinta da melancolia.

O saudoso professor Olavo de Carvalho, que era amigo pessoal do autor, escreveu no jornal O Globo, de 8 de fevereiro de 2003, as seguintes palavras sobre o livro: “(…) E o melhor romance brasileiro que li nos últimos anos é Braz, Quincas & Cia., de Antonio Fernando Borges”. A leitura vale a pena porque este é um daqueles livros cujo tema é o universal, cuja moldura abarca a totalidade das percepções.

***

Compre o livro AQUI.


Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

Esmeril Editora e Cultura. Todos os direitos reservados. 2022

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img