HOJE NA HISTÓRIA | Morre Júlio Prestes

Vitor Marcolin
Vitor Marcolin
Ganhador do Prêmio de Incentivo à Publicação Literária -- Antologia 200 Anos de Independência (2022). Nesta coluna, caro leitor, você encontrará contos, crônicas, resenhas e ensaios sobre as minhas leituras da vida e de alguns livros. Escrevo sobre literatura, crítica literária, história e filosofia. Decidi, a fim de me diferenciar das outras colunas que pululam pelos rincões da Internet, ser sincero a ponto de escrever com o coração na mão. Acredito que a responsabilidade do Eu Substancial diante de Deus seja o norte do escritor sincero. Fiz desta realidade uma meta de vida. Convido-o a me acompanhar, sigamos juntos.

O político fora o primeiro presidente brasileiro a ser capa da revista Time

Há uma década, quando eu fui aluno do curso cordas para orquestra na Escola de Música do Estado de São Paulo, a Emesp Tom Jobim, no largo General Osório, todos os sábados pela manhã eu vivia uma experiência estética singular: contemplar o prédio da estação Júlio Prestes. Não se fazem mais estações como antigamente. O prédio, concluído em 1938, é um exemplo perfeito da época em que a sensatez e o bom gosto ainda habitavam os escritórios de arquitetura.

Foi-se o tempo. Hoje, como se vê, os projetistas dos prédios públicos estão permanentemente preocupados com a manutenção daquelas disformidades arquitetônicas símbolos das ideias de jerico. Só um aleijado dos olhos não percebe a política de financiamento da apeirokalia nos grandes centros urbanos. Dinheiro público. Dinheiro do orçamento familiar. Apesar de servir apenas uma linha da ViaMobilidade — antiga CPTM –, a Júlio Prestes resiste. A estação recebera o nome do ex-governador do Estado — e ex-presidente eleito — em 1946, após a sua morte, no dia 9 de fevereiro.

Estação Júlio Prestes/Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo/Reprodução

Júlio Prestes, que fora o último politico a presidir a “República Velha”, morreu aos 63 anos em São Paulo. Apesar de ter conquistado votos suficientes para empossá-lo como chefe da coisa pública, Prestes não tomou posse; o político fora impedido pela conjuntura da Revolução de 1930. Resumidamente, esta tinha como objetivo dar fim à política do café com leite, o monopólio do poder entre paulistas e mineiros, e entregar a batuta da nação ao gaúcho Getúlio Vargas.

Júlio Prestes nascera em Itapetininga, SP, em 1882, ainda nos tempos do Império. Enquanto Presidente do Estado — cargo que, no contexto da República Velha, equivaleria ao atual Governador do Estado –, Prestes deu início à construção da Estação São Paulo da Estrada de Ferro Sorocabana, Estação Júlio Prestes depois de 1946. Prestes estampou a capa da revista Time na edição de 23 de junho de 1930 — provavelmente pela importância fundamental que o café brasileiro representava no mercado internacional à época.

Depois de vencer nas urnas, Júlio Prestes chegou a ser recebido em Washington, Londres e Paris como Presidente dos Estados Unidos do Brasil — antigo nome da República Federativa do Brasil — mas fora obrigado a entregar o poder a Getúlio Vargas. Derrotado, Prestes exila-se sob a proteção do governo britânico. De regresso à política nacional, Júlio Prestes funda o partido União Democrática Nacional — UDN –, a partir do qual exercerá oposição a Getúlio Vargas.


Com informações de Piletti, Nelson, História do Brasil, Ática Editora.


“Quem não aguenta o trote não monta o burro”.

Getúlio Vargas

Esmeril Editora e Cultura. Todos os direitos reservados. 2023

3 COMENTÁRIOS

  1. Boa lembrança. Muitos dos nomes nacionais foram particularmente esquecidos e suas histórias distorcidas desde sempre. Do colonialismo ao império. Tudo esquecido ou reescrito de forma conveniente aos contextos de época

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Abertos

Últimos do Autor

CONTO丨Agenda