18.5 C
São Paulo
domingo, 5 dezembro, 2021

Hoje na História: morre Cecília Meireles

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Cecília foi poeta, pintora, professora e jornalista

Poeta, não poetisa. Sim, mas Cecília Meireles não pertence, como o estado de coisas do Brasil contemporâneo sugere, a nenhum movimento “representativo” da mulher masculinizada. Não. “A poesia de Cecília Meireles”, nas palavras de Otto Maria Carpeaux, “embora pertencendo a nós e ao nosso mundo, é uma poesia de perfeição intemporal”. Ela pertence, portanto, ao mundo místico daqueles que conseguem exprimir, com misteriosa precisão, os dramas da existência.

A escritora carioca, nascida no início do século XX, foi, como subscreve a crítica — praticamente unânime –, um dos mais importantes nomes da Literatura Brasileira daquele século. Enquanto jornalista, Cecília escreveu sobre Educação, expondo suas reflexões sobre a qualidade do ensino. O fato de ter sido órfã e viúva muito cedo exerceria sobre a sua arte permanente influência, dando-lhe o gosto das relações entre o efêmero e o eterno.

No dia 9 de novembro de 1964, aos 63 anos de idade, a escritora sucumbiu a um câncer de estômago; Cecília Meireles morreu em sua cidade natal, o Rio de Janeiro. No ano seguinte, como tributo ao conjunto de sua obra, a Academia Brasileira de Letras concedeu-lhe a Medalha Machado de Assis, sua maior honraria.

“Eu canto porque o instante existe

e a minha vida está completa.

Não sou alegre nem sou triste:

sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,

não sinto gozo nem tormento.

Atravesso noites e dias

no vento.

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço,

— não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.

Tem sangue eterno e asa ritmada.

E um dia sei que estarei mudo:

— mais nada”.

Poema do livro Viagem. Obra poética. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1967

Com informações do Instituto Ling e da Revista Galileu.

“Se em um instante se nasce e em um instante se morre, um instante é o bastante pra vida inteira”.

Cecília Meireles

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img