Premiê Boris Johnson afirma: “este é o momento mais importante em nossa história moderna”

Em 1972, sob a tutela do então Primeiro-Ministro, Edward Heath, o Reino Unido concordou em assinar um acordo de relações comerciais com os países do continente europeu. Após 47 anos, os britânicos se preparam para escrever capítulos de sua história com a oficialização do chamado BREXit, concluindo o referendo popular que escolheu pela saída do País da União Europeia em 23 de junho de 2016.

Em meio às celebrações por toda Grã-Bretanha – com direito à tomada da Praça do Parlamento, em Londres – O Primeiro-Ministro atual, Boris Johnson, prometeu “Unir o país e leva-lo em direção ao progresso”. Enquanto isso, em regiões como em Amagh, na fronteira das Irlandas, cidadãos contrários ao BREXit foram às ruas protestar contra a definição.

“Momento mais importante em nossa história moderna”

Pelo Twitter, o premiê considerou a separação do bloco como “um incrível momento de esperança, considerado impossível por muitos”.  Boris Johnson refletiu que a transição pode transmitir insegurança à população, depois de anos como membro da União Europeia.

“Sabemos que existe uma sensação de perda e ansiedade para muitos britânicos. Apesar disso, vamos celebrar, como nunca fizemos, o mais importante momento do Reino Unido na história moderna”.

O que muda para os britânicos

Após celebrar a conclusão do acordo que garantiu aos britânicos o “divórcio” da UE, Johnson frisou: “Embora tenha admiráveis qualidades e muita força, a União Europeia caminhou para uma direção que não mais representava os interesses de nosso país”.

Dito isso, o BRExit irá representar daqui em diante, uma série de alterações complexas, tanto no âmbito social como econômico. Mas nem tudo, claro, mudará imediatamente.

Confira agora os principais pontos da saída do Reino Unido do bloco europeu:

  • A circulação de europeus pelo Reino Unido passará por um processo de transição até 31 de dezembro de 2020 – prazo estipulado para o fim das leis que regulamentam a União Europeia. Os direitos de ambos permanecerão intactos até o fim desse período.
  • Enquanto durar o período transitório, representantes britânicos e europeus tentarão renegociar acordos comerciais. Caso as partes não se entendam, o comércio entre países será feito sem regulamentação prévia, sujeito à tarifas impostas pelo Reino Unido.
  • Pelo acordo, será criada uma alfândega para analisar os produtos comercializados entre a Irlanda do Norte e os demais países do Reino Unido.
  • Medicamentos comercializados entre as partes receberão nova regulamentação, assim como o comércio de gás e eletricidade.
  • O governo britânico concordou em pagar 30 bilhões de libras para a União Europeia como “multa” pela quebra de contrato com o bloco. Em reais, a soma ultrapassa os R$ 168 bilhões.  

O que muda para o Brasil na economia

  • Com a medidas do BREXit, o Brasil, por meio do Mercosul, agora tentará fechar um acordo de livre comércio com os britânicos. A ação segue os passos do bloco sul-americano com a União Europeia firmado em junho de 2019. O acordo ainda precisa ser ratificado pelas partes.
Fim
Revista Esmeril – 2020 – Todos os Direitos Reservados

Gostou da matéria? Assine nossa Revista mensal aqui.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This div height required for enabling the sticky sidebar
Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views :