31 C
São Paulo
quinta-feira, 27 janeiro, 2022

VIVER BEM丨Doente por dinheiro

Revista Mensal

Sono interrompido, pressão alta, ataques cardíacos, enxaqueca, úlceras, problemas digestivos, depressão e ansiedade. Estes podem ser sintomas ou doenças desencadeadas em pessoas que tiveram problemas financeiros.

Sofrer assalto, ficar horas no trânsito, ser corneado, não ser amada, ter um filho não-binário ou com outros transtornos psicológicos são problemas que causam níveis altos de estresse na população, mas nada se compara ao pânico e medo quando o assunto é dinheiro. Então, este é o tema que trataremos nesta edição. Ah! Mas antes que eu me esqueça: caso você, leitor, seja criança, adolescente, funcionário público ou algum tipo de burocrata parasita batedor de carimbo, que não produz nada ou que não tem responsabilidades financeiras, pule este artigo e vá relaxar.

É no vai e vem mensal, semanal, diário ou de minuto a minuto que mudam os preços de ações, fundos imobiliários, produtos negociados em mercados futuros etc. Toda esta volatilidade pode trazer grande carga de estresse para o sujeito que opera na bolsa. Claro que não é só quem trabalha nos mercados de capitais que sofre com cargas excessivas de nervosismo. Vide os altos níveis de estresse a que a população mundial se sujeitou em razão da ditadura sanitária. Muitos perderam emprego, se endividaram, perderam a renda, etc. Isso sem contar a humilhação que sofremos em nome de uma grande fraude insignificante estatisticamente.

Há inúmeras pesquisas feitas nos EUA na área da saúde que tentam correlacionar certos tipos de doenças com os problemas financeiros. Vejamos algumas delas:

Sono interrompido

Bem mais da metade das mulheres (68%) e dos homens (56%) dizem que perdem o sono pelo menos ocasionalmente porque estão preocupados com dinheiro, de acordo com uma pesquisa com 1.000 adultos divulgada em 2016 pelo CreditCards.com. E este problema, ironicamente, faz com que eles gastem muita grana: os americanos gastam (por ano) mais de US$ 40 bilhões em soníferos.

Pressão alta e ataques cardíacos

Altos níveis de endividamento também podem levar ao aumento da pressão arterial, de acordo com um estudo de 2013 com 8.400 adultos jovens publicado na revista Social Science Medicine. Tratar a hipertensão pode custar US$ 700 ou mais por ano, os dados mostram que os gastos anuais para pessoas tratadas por hipertensão foram em média US $ 733 por adultos em 2010. Além do mais, pessoas com alto estresse financeiro são mais propensas a relatar que tiveram um ataque cardíaco ou uma arritmia (6%) do que aqueles com baixo estresse financeiro (3%).

Úlceras e problemas digestivos

Uma pesquisa da Associated Press mostrou que as pessoas que estão sob alto estresse financeiro são muito mais propensas a reclamar de úlceras e problemas digestivos (27% delas disseram ter esses problemas) do que aqueles que têm baixo estresse financeiro (8%).

Enxaqueca

Um estudo divulgado em 2017 descobriu que, para muitas pessoas, o estresse financeiro está relacionado a ter mais enxaquecas. Na verdade, as pessoas com uma certa variação genética do chamado gene CLOCK – ajuda a controlar coisas como a temperatura corporal e os níveis do hormônio do estresse cortisol; cerca de ⅓ da população tem essa variação – são mais propensos a ter enxaquecas em tempos de estresse financeiro.

Depressão e ansiedade

Além de todos estes sintomas ou doenças causadas pelo fator dinheiro, há também aqueles que levam isso até as últimas consequências, como o suicídio. De tempos em tempos aparece alguma história de um sujeito que perdeu tudo na bolsa ou até mesmo em esquemas de pirâmide ou apostas e cometeu suicídio. Mas então, qual seria a solução para estes problemas?

Para cada caso há algumas soluções. Por exemplo, se você é um classe C e gasta muito dinheiro para parecer rico você certamente será um fodido pro resto da vida, já que o ato de ostentar (gastar o que não tem) leva automaticamente à pobreza. Lembre-se: o dinheiro não aceita desaforo. As pessoas com problemas financeiros devem se educar. Hoje em dia há muito material bom e gratuito sobre finanças pessoais disponíveis na rede. Já para as pessoas que operam na bolsa (principalmente a curto e médio prazo), listamos 8 itens imprescindíveis para evitar que o trader se mate.    

Pessoas com maior estresse financeiro têm mais sintomas de depressão e ansiedade do que aqueles que não estão financeiramente estressados, de acordo com um estudo de 2013 publicado na revista Anxiety, Coping and Stress. E os dados de John Hancock revelam que o estresse financeiro está desencadeando sintomas físicos e psicológicos, como ansiedade e insônia, em cerca de 60% dos trabalhadores.

1. Use a ordem de stop-loss: a situação mais estressante depois de investir dinheiro no mercado de ações é quando há uma redução no preço de suas ações, ou aumento caso opere vendido. Os investidores temem perder todo o seu dinheiro se o mercado cair/subir e, com certeza, perder dinheiro é estressante. Uma ordem de stop-loss permitirá que você venda/compre automaticamente as ações se elas caírem/subirem em um determinado nível de preço. Isso lhe dará paz de espírito, não perderá todo o seu dinheiro e ajudará a evitar o estresse.

2. Durma o suficiente: ter um boa noite de sono é o destruidor do estresse final. Um adulto deve dormir pelo menos 6-8 horas todas as noites. Se você dorme menos de 6 horas, ficará facilmente frustrado ao negociar nos mercados. Ficar sonolento e frustrado pode resultar em decisões erradas e pode incorrer em perdas significativas no mercado. Como você reage e responde em relação ao mercado de ações está diretamente relacionado ao número de horas que você dorme.

3. Não observe seus investimentos continuamente: Ficar sentado em frente ao computador e observar seus investimentos mergulharem é sempre estressante. Embora seja verdade que você deva monitorar regularmente seus investimentos, isso não significa que você deva sentar-se diante da tela do computador o dia todo. Defina um horário específico para monitorar seus investimentos. Quando achar que o mercado não está indo bem, é melhor apenas fechar o computador e fazer outra coisa que achar interessante. Digo o mesmo para aqueles que acompanham o dia a dia na política nacional. 80% é fofoca, especulação, guerra de narrativas, ou seja, ruídos. Fique com o fundamental.

4. Tenha uma estratégia de investimento: negociar sem uma estratégia de investimento é como correr em um campo de minas terrestres com os olhos fechados. Você está fadado a sofrer perdas sem uma estratégia de investimento. Antes de investir, sempre trace um plano, seja ele de curto, médio ou longo prazo e se esforce para segui-lo sempre que negociar. Isso permitirá que você aumente seus lucros e reduza suas perdas. A estratégia sempre tem que ter como fundamento: bom risco retorno e com a expectativa matemática positiva (ganhar mais do que perder).

5. Não atualize sua conta a cada 5 segundos: o mercado não está indo como você esperava? Não adianta ver seus investimentos perderem terreno e ficar tristes com o seu destino. Atualize o saldo do seu portfólio uma vez por dia e não a cada cinco segundos. Se você está perdendo dinheiro, não há nada que possa fazer a respeito. Coloque um stop-loss em suas ações e esqueça que o mercado não está indo na direção almejada por você.

6. Alimente-se de forma saudável (sim é obvio, mas tem que ser dito…): não ignore sua saúde física, pois ela influencia diretamente suas decisões. Se você comer alimentos saudáveis, seu corpo se sentirá totalmente equilibrado e você tomará melhores decisões de investimento. Evite junk food e alimentos não saudáveis, pois eles podem deteriorar sua saúde e você reagirá negativamente ao processo de investimento. Um corpo saudável significa uma mente sã, e uma mente sã é tudo de que você precisa para ter bons lucros no mercado.

7. Fique calmo: o pânico durante uma tendência de baixa sempre leva a más decisões de investimento. Pare, relaxe, pense e reaja a cada dificuldade que você enfrentar ao investir. Tomar uma decisão às pressas é o principal motivo pelo qual os investidores perdem grandes oportunidades de lucro. Você pode até tentar meditar durante um dia difícil. Sempre tenha em mente que qualquer que seja o desafio, apenas uma mentalidade calma permitirá que você o conquiste. Cuidado com o efeito manada. Esse efeito está em nosso DNA e foi importante para nossa sobrevivência e perpetuação da espécie. No entanto, o efeito manada produz oscilações nos mercados de forma equivocada.

8. Fique longe de pessoas negativas: você tende a agir como as pessoas que o cercam todos os dias. Analise-os, veja como eles lidam com o estresse quando estão enfrentando um desafio e se têm uma visão positiva da vida. Se não, tente ficar longe delas, pois elas só aumentarão o seu estresse. Se você quiser evitar o estresse ao operar no mercado, precisa se cercar de pessoas que tenham uma mentalidade positiva. Não leia as notícias diárias, ou você ficará louco. Saia dos grupos ou páginas em redes sociais, não leia as notícias diárias, ou você ficará louco. A maioria dos que estão lá, além de não saberem nada, não têm responsabilidade. Siga gente séria como Luiz Barsi, Henrique Bredda, Su Choung Wei e outros tantos.

Enfim, o estresse, além de destruir sua moral e gana de viver, também afeta as defesas naturais do seu corpo, mas comer os alimentos certos pode oferecer alívio. Abaixo listamos 7 alimentos para aliviar o estresse:

1. Mix de castanhas: O estresse esgota nossas reservas de vitamina B e comer castanhas ajuda a reabastecê-las. “As vitaminas B mantêm nossos neurotransmissores em seu lugar feliz e nos ajudam a lidar com a resposta ao estresse lutar ou fugir”, disse Ellen Albertson, Ph.D. psicóloga em Burlington, Vermont, e fundadora da smashyourscale.com. O potássio nas nozes também é fundamental: pesquisadores da Penn State descobriram que algumas porções de pistache com potássio por dia podem baixar a pressão arterial e reduzir a pressão exercida pelo coração.

2. Pimentas: Já ouviram a expressão “aquele sujeito precisa de uma pimenta no rabo”? Pois é, enquanto as laranjas recebem toda a propaganda da vitamina C, as pimentas vermelhas têm cerca de duas vezes mais (95 contra 50 mg por porção de 1/2 xícara). Num estudo realizado em Psico-pharma-logia, as pessoas que tomaram altas doses de vitamina C antes de se envolver em atividades indutoras de stress (apresentação oral seguido por resolver problemas de matemática em voz alta) tinham pressão arterial mais baixa e recuperaram mais rápido do aumento do cortisol do que aqueles que receberam um placebo. “Dietas carregadas de alimentos ricos em vitamina C reduzem o cortisol e ajudam as pessoas a lidar com isso”, diz Elizabeth Somer.

3. Salmão: “Para manter o controle quando a vida fica complicada, você precisa de ômega-3, especialmente DHA”, diz Somer. Em um estudo no Brain, Behavior and Immunity , as pessoas que tomaram um suplemento diário de ômega-3 (contendo DHA e EPA) por 12 semanas reduziram sua ansiedade em 20 por cento em comparação com o grupo do placebo. Você não obterá o mesmo aumento de humor com o ômega-3 (ALA) da linhaça ou castanhas, então coma cerca de 2 porções por semana de salmão selvagem ou outro peixe oleoso.

4. Espinafre: faça como o Popeye ingira regularmente este vegetal com folhas verdes rico em magnésio que combate o estresse. Pessoas com níveis baixos de magnésio (a maioria de nós, na verdade) são mais propensas a ter níveis elevados de proteína C reativa – e pesquisas mostram que pessoas com níveis elevados de CRP estão mais estressadas e têm maior risco de depressão. “O magnésio ajuda a regular o cortisol e a pressão arterial também”, diz Somer. E uma vez que o magnésio é eliminado do corpo quando você está estressado, é crucial obter o suficiente.

5. Farinha de aveia: “a aveia é quente e reconfortante e também ajuda o cérebro a gerar o neurotransmissor serotonina, que destrói a tensão”, diz Albertson. Lembrem-se, carboidratos refinados (pão branco e macarrão, arroz branco bebidas adoçadas e sucos) digerem mais rápido e aumentam o açúcar no sangue (índice glicêmico), mexendo com o humor e o estresse. Carboidratos complexos, como farinha de aveia, são digeridos mais lentamente e não aumentam o açúcar no sangue.

6. Chocolate amargo: Se você deseja chocolate quando está nervoso, coma um pouco. Uma pesquisa no Journal of Proteome Research mostrou que pessoas que comeram o equivalente a uma barra de chocolate de tamanho médio (cerca de 40 gramas) por dia durante duas semanas tinham níveis mais baixos de cortisol e hormônio de luta ou fuga. Para colher as recompensas da sensação de estar melhor, escolha chocolate com pelo menos 70% de cacau. Fique atento: o chocolate amargo é um alimento de alto teor calórico, portanto, tome cuidado com as porções.

 7. Chás: por último, mas não menos importante, beber chás de ervas como camomila, hortelã-pimenta ou gengibre pode ser maravilhosamente calmante para o trato digestivo, o que pode ajudar no estresse ao acalmar o sistema nervoso em seu intestino”, diz Kathie Swift, autora de The Swift Diet.

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

VIVER BEM│Finanças, culinária e saúde

Taxa Selic em redução: o que muda na forma de investir seu dinheiro? A taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img