Comida industrializada vicia

Todos sabemos que a comida servida em fast-foods é um lixo para nosso organismo. Não é à toa que, lá fora, ela é chamada junkie food. No entanto, é inegável o prazer que temos ao comer hambúrguer, refrigerante, batata frita, sorvete, cachorro quente e tantas outras delícias à base de farinha de trigo, sódio, açúcar e gordura insaturada.

O grande mal de toda essa história é criar o hábito de se alimentar dessas porcarias. Pois além de acarretarem doenças conhecidas, tais como gastrite, diabetes tipo 2, hipertensão, fadiga, inflamações, cefaleia, mal funcionamento do trato digestivo, obesidade, etc.; elas geram um problema grave: o vício.

Sim, estudos recentes comprovam que o açúcar e a gordura estimulam uma região cerebral (córtex frontal) envolvida em recompensa e prazer. Aquela mesma região estimulada por drogas. Diferentemente do viciado em drogas, quem tem crise de abstinência de açúcar pode superar o vício em poucas semanas. Por isso o alerta: não faça do fast-food um hábito. 

O Leviatã/Estado tem criado leis, ou entrado naqueles acordos furados com Europa e outros grupos de países pau-mandados dos globalistas, evocando a narrativa de zelar pela boa saúde dos cidadãos. Diminuíram o sódio de produtos industrializados. Agora querem reduzir o açúcar.

Produtos industrializados sem sódio nem açúcar são como ir a um prostíbulo distribuir abraços e flores. Não se engane. O lobby de grandes grupos junto ao estado é grande. Ora condenam um produto e endeusam outro; ora a situação se inverte. Não existe coerência. Como dizia Don Corleone: It’s not personal, it’s just business. 

O estado prestaria um grande serviço, caso se preocupasse com a saúde geral da nação, eliminando venenos como o flúor da água tratada, que não serve pra nada―a não ser competir com elementos importantes no organismo, como magnésio e iodo.

Agora, se você, caro leitor, acha que joguei água no chopp, não desanime! Vou te passar uma receita boa: saem os ingredientes mais nocivos do fast-food, como conservante, gordura insaturada e corantes; e ficam as besteiras de costume.

Hambúrguer & fritas

Etapa 1 Maionese caseira

  • 2 ovos
  • Suco de meio limão
  • 1 colher de café de sal
  • 1 colher de sopa de mostarda 
  • 1 dente de alho picado
  • 4 ramos de salsinha 
  • 3 hastes de cebolinha 
  • Óleo de girassol 
Modo de preparo

Com exceção do óleo de girassol, ponha todos ingredientes no copo do mixer (ou liquidificador) e ligue. Após alguns segundos, com os ingredientes já misturados, comece a acrescentar o fio de óleo continuamente, até que o molho atinja consistência.

Dica: No liquidificador, a maionese não atinge a consistência desejada facilmente. Então, quando ela começar a engrossar e o motor travar, desligue o liquidificador, mexa com uma colher e religue. Faça esse procedimento até ficar com a consistência adequada. Se você for um zé mané na cozinha, use um mixer que é muito mais fácil atingir o ponto.

Hambúrguer

  • 150 gramas de carne moída (o ideal é misturar carne mais gorda, como paleta ou fraldinha, como carne magra, como patinho ou coxão duro, na proporção de 50%).
  • Sal 
  • Pimenta do reino
  • Tomate verde 
  • Alface lisa
  • 100 g queijo amarelo

Modo de preparo

Ponha o pão no forno. Abra o hambúrguer sobre uma prancha. Tempere-o com uma pitada de sal e pimenta. Leve-o à frigideira já aquecida e untada com um pouco de banha de porco. Deixe selar, vire, acrescente o queijo, abaixe o fogo e tampe a frigideira para o queijo derreter. Ponha uma colherada da maionese caseira no pão quentinho. Coloque primeiro a alface, depois a rodela de tomate verde e, por fim, a carne.  

Dica: é interessante que o tomate seja verde, pois sua acidez extremada contrasta melhor com a gordura da maionese e do queijo.

Batata-frita rústica

  • Batatas inglesas com casca
  • Sal a gosto
  • Banha de porco
Modo de preparo

Corte as batatas inglesas com casca ao meio e, depois, em 4 partes. Ponha para ferver com água o suficiente e 1/2 colher de café de sal para cada batata. Quando for possível espetar um palito de dente, estão no ponto. Deixe as batatas secando enquanto aquece a banha de porco em uma frigideira funda. Frite em gordura quente até dourar. Depois de fritas seque-as e corrija o sal, caso necessário. 

Dica: a batata rústica tem que ser crocante por fora e macia por dentro.


Quanto custa investir em ações na bolsa?

Se você investe ou pretende investir em ações na bolsa, não pode esquecer dos custos envolvidos na operação. Há três tipos de taxas cobradas do investidor de ações: corretagem, custódia, emolumentos.

A taxa de corretagem é cobrada pelas corretoras de valores no momento em que o investidor vende ou compra uma ação. O valor desta taxa abrange os serviços da corretora e o ISS (imposto sobre Serviço), que incide sobre a taxa de corretagem com alíquota entre 2% e 5%  – dependendo da cidade. 

Vale lembrar que o investidor tem diversas opções de corretoras, das mais caras às que cobram taxa zero de corretagem e custódia, em geral cobrada mensalmente para cobrir custos da empresa que administra a bolsa, a B3. As taxas mais altas são aplicadas pelos “bancões”. Fuja dos bancos tradicionais, se você tem amor ao dinheiro. Se tiver receio de pôr seu dinheiro em corretora, escolha aquela que tem grandes bancos como principal acionista. Dificilmente irá a falência. 

Os emolumentos são taxas fixas cobradas pela B3 por transação. O valor varia conforme a operação (normal ou compra-venda no mesmo dia, o chamado Day Trade), o tipo de investidor (pessoa física ou fundos e clube de investimentos) e o valor investido

Além dos emolumentos, conhecidos também como taxa de negociação, há ainda a taxa de liquidação. Ambos são cobrados sobre o valor financeiro da operação. Ou seja, o investidor deve pagar o total das taxas em cada operação

Além dessas taxas há o imposto sobre lucro cobrado pela receita federal―ou você achava que o Leviatã não participaria dos seus lucros?

O investidor de ações paga Imposto de Renda (IR) apenas quando suas vendas mensais ultrapassam R$ 20 mil. Nesse caso, é preciso pagar 15% sobre o lucro líquido até o último dia útil do mês subsequente. No entanto, é possível abater os prejuízos de outras operações para pagar menos imposto.

Em operações Day Trade não há isenção – o investidor sempre paga 20% sobre o lucro de IR, independentemente do valor da operação. Operações de day trade que geraram prejuízos também podem ser utilizadas para abater o imposto devido nas operações com lucro.

O pagamento é feito via Darf (Documento de Arrecadação Federal) e o próprio investidor é responsável pelo cálculo dos valores.

As taxas cobradas pela B3

Tipo de investidor Taxa de negociaçãotaxa liquidação Total 
Pessoas físicas e demais investidores0,004972%0,0275%0,032472%
Fundos e clubes de investimento locais0,0049720,0200%0,024972%

Day trade:

Volume day trade (R$ milhões)Volume day trade (R$ milhões)
Pessoa físicaPessoa jurídicaNegociaçãoLiquidaçãoTotal 
Ate 4 (inclusive)Até 20 (inclusive)0,004972%20,0200%0,024972%
De 4 até 12,5 (inclusive)De 20 até 50 (inclusive)0,0030%0,0200%0,0230%
De12,5 até 25 (inclusive)De 50 até 250 (inclusive)0,0005%0,0195%0,0200%
De 25 até 50 (inclusive)DE 250 até 500 (inclusive)0,0005%0,0175%0,0180%
Mais de 50Mais de 5000,0005%0,0155%0,0160%

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

This div height required for enabling the sticky sidebar
Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views : Ad Clicks : Ad Views :