31 C
São Paulo
quinta-feira, 27 janeiro, 2022

Hoje na História: morte da Imperatriz Tereza Cristina

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

A Imperatriz fora cognominada “A mãe dos brasileiros”

Primeiro as discussões nos salões, nos palacetes dos barões, nas saletas privadas dos cafés da Côrte; depois, o teor dos diálogos deixa os bastidores da política a fim de ocupar as redações dos jornais: falava-se da mudança do Regime. A Igreja já não tinha a força de outrora, o Governo — e mesmo o Imperador em pessoa — estava impregnado pelas novas ideias, pelas ideas iluministas que, há um século na França, fizeram a Revolução. Não havia salvação.

Cai a Coroa. A Família Imperial, ela mesma “bestializada“, deixa o país às pressas, expulsa pelos militares revolucionários. Não tiveram a oportunidade da despedida, saíram com a roupa do corpo mais algumas mudas em poucas malas — o que foi possível carregar. Ainda assim, não se sabe como exatamente, dois anos depois, quando da morte do Imperador, um travesseiro preenchido com a terra de Pindorama fora encontrado entre os poucos pertences do velho Monarca. “É terra de meu país; desejo que seja posta no meu caixão se eu morrer fora de minha pátria”, era o que dizia um bilhete escrito por D. Pedro.

Todos os membros da Família Imperial sofreram com a ruptura da tradição político-cultural que, doravante — e a História é testemunha inconteste –, conduziria o Brasil pelos descaminhos da instabilidade política, econômica e social. A primeira vítima fatal da traição fora a própria “Mãe dos Brasileiros”, a Imperatriz Tereza Cristina. Hoje, depois dos novos passos da Revolução dados nos idos de 1960 e do enxotamento dos poucos sensatos das universidades, redações de jornais e da mídia geral, é praticamente impossível imaginar a fidelidade de um casamento de 46 anos. Aquela Princesa napolitana prometida em casamento ao jovem Imperador do Brasil — então com 17 anos — dedicou-se integralmente em servi-lo e em servir à nação que a adotara como mãe.

Da esquerda para a direita: Princesa Leopoldina, D. Pedro II, D. Tereza Cristina e Princesa Isabel. Fotografia de Joaquim José Insley Pacheco, de 1863.

“(…) Farei todo o possível para viver de tal maneira que nada leve ao engano de meu caráter. Minha ambição será parecida à de Maria Leopoldina d’Áustria, mãe de meu marido, e serei brasileira de coração em tudo que fizer”.

D. Tereza Cristina quando de seu casamento com D. Pedro II

Passa-se o tempo, mudam-se os costumes: hoje, os relatos da fidelidade da Imperatriz ao Imperador e ao Brasil, sua disposição em servir à família, em cuidar da educação das filhas — as Princesas Isabel e Leopoldina — soa tão estranho aos ouvidos contemporâneos quanto a dieta de uma bactéria do Cretáceo encontrada no fragmento de uma rocha oriunda de Marte. Tereza Cristina encontrou a morte na tarde de 28 de dezembro de 1889.

“Não sei como escrevo. Morreu haverá ½ hora a imperatriz, essa santa. […] Ninguém imagina a minha aflição. Somente choro a felicidade perdida de 46 anos. […] Não sei o que farei agora. Só o estudo me consolará de minha dor. Custa-me crer. Sempre desejei precedê-la na morte. Abriu-se na minha [vida] um vácuo que não sei como preencher. […] Nada pode exprimir quanto perdi… Que noite vou passar! Dizem que o tempo tudo desfaz! Mas poderei viver tempo igual ao da minha felicidade?”.

D. Pedro II em seu diário, 28 de dezembro de 1889

O historiador Paulo Rezzutti, comentando os registros sobre a morte da Imperatriz, reproduz: “Após o almoço, a Imperatriz, que não passava bem de saúde, piorara. A baronesa de Japurá, sua dama de companhia, ouviu da imperatriz: ‘Maria Isabel, não morro de moléstia, morro de dor e de desgosto’. A notícia do banimento oficial da Família Imperial do Brasil, recebida no dia 24, piorara o seu estado. A baronesa pediu um padre. O Dr. Mota Maia correu escada abaixo até a rua onde pediu ao policial de guarda na porta do hotel que conseguisse o primeiro religioso que achasse. O ex-vigário geral em Braga, padre Manuel da Conceição da Costa e Silva, que ia passando, chegou quando D. Teresa Cristina morria. Suas últimas palavras foram recolhidas pela baronesa: ‘Sinto a ausência de minha filha e de meus netos. Não a posso abraçar pela última vez. Brasil, terra linda… Não posso lá voltar…’.

“D. Pedro havia saído do hotel para andar pelo Porto deixando a mulher doente no quarto. Perdido em seus próprios pensamentos, o Imperador não deve ter imaginado que a situação da esposa fosse tão grave a ponto de achá-la morta ao retornar. Ainda em seu diário, registrou: ‘Infelizmente pelo seu estado antes da síncope eu saíra. Deus me perdoe, assim como o Padre a quem primeiro me confessar'”.

Cripta Imperial com os restos mortais de D. Pedro II, D. Tereza Cristina, D. Isabel e Conde d’Eu, em Petrópolis, RJ.

Com informações de Paulo Rezzutti e dos livros Schwarcz, Lilia Moritz, As barbas do Imperador. D. Pedro II, um Monarca nos trópicos, Cia das Letras Editora, 2ª edição, São Paulo, SP, 2021; e Carvalho, José Murilo de, Os bestializados. O Rio de Janeiro e a República que não foi, Cia das Letras Editora, 4ª edição, São Paulo, SP, 2019.

(…) serei brasileira de coração em tudo que fizer.

D. Tereza Cristina
Assine Esmeril e tenha acesso a conteúdo de Alta Cultura. Assine!
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img