16.6 C
São Paulo
sábado, 25 junho, 2022

PATRIMÔNIO E MEMÓRIA丨O lusotropicalismo em Gilberto Freyre

Revista Mensal
Roberto Lacerda
Roberto Lacerda
Roberto Lacerda Barricelli é jornalista, assessor e historiador. Foi correspondente do Epoch Times e colaborador em diversos jornais, como Jornal da Cidade Online, O Fluminense, São Carlos Dia e Noite, Diário da Manhã, Folha de Angatuba e Jornal da Costa Norte.

Roberto Lacerda recorda o clássico “O luso e o trópico” para honrar a memória de Gilberto Freyre, cuja reflexão sobre a “Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal” (subtítulo de Casa grande & Senzala) ainda brilha entre as jóias do patrimônio intelectual brasileiro.

Publicado dez anos após a conferência ‘Uma cultura moderna: a luso-tropical’ (Goa, 1951), a obra O Luso e o Trópico, do polímata Gilberto Freyre (sociólogo, antropólogo, político, historiador, jornalista, escritor, poeta e pintor), está inserida em uma seqüência lógica de obras de estudos sociológicos do autor; que negou ser um sociólogo (Como e porquê não sou sociólogo, 1968). Este brasileiro, de família das mais antigas, com algum sangue ameríndio, imortal da Academia Pernambucana de Letras e que foi adepto do protestantismo batista à irreligião, mas acaba adepto do que ele mesmo chamou “catolicismo popular”, é reconhecido como um dos maiores intelectuais da história do Brasil.

Todas as facetas de Gilberto Freyre ficam à mostra em O Luso e o Trópico. Talvez Otto Maria Carpeaux, ao se deparar com essa obra, dissesse que “é de grande frescor”. Frescor esse que transborda da escrita para a imaginação do leitor, que se não estiver abatido de alguma enfermidade, conseguirá visualizar desde o espírito português que impulsiona as Grandes Navegações, até a miscigenação através de uniões previamente desejadas; os casamentos com mouras, ainda em Portugal, abririam caminho aos demais casamentos interculturais, a começar pela Guiné.

O português dos séculos XV e XVI está atrás de terras quentes; diferente de seus irmãos católicos da Espanha. Mesmo os casamentos mencionados possuem também esse elemento, influenciando a escolha dos contemporâneos de Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral: os portugueses preferiam mulheres de terras quentes, fugindo do frio como o Diabo foge da Cruz.

Freyre aborda todos os aspectos possíveis da exploração dos trópicos pela gente portuguesa, desde a ocupação ecológica até as assimilações de costumes locais, como banhos diários e – no interior das casas, por influências da Índia – vestimentas adaptadas ao calor, como roupas mais coloridas, largas e leves, sandálias, véus, pijamas, xales etc. – algo que escandalizaria os frios ingleses. Na arquitetura, misturaram matérias primas e modelos externos locais, com arquitetura interna e técnicas “modernas” de sua nação.

O autor nos faz sentir o espírito cristão desses portugueses, mesmo não mencionando o objetivo das Grandes Navegações: levar a palavra de Deus a outros povos; o que podemos interpretar como Cruzadas Marítimas. Porém, não são negligenciados os demais aspectos dessas explorações de novas terras, tanto suas motivações – como exposto acima -, e os desdobramentos para a formação do que ele nomeará: civilização lusotropical. Também denuncia a campanha caluniosa em meios intelectuais contra o desbravador português que, segundo o autor:

Ligou mais do que ninguém a civilização européia aos trópicos, através de uma obra não apenas intuitiva, mas, em parte, científica: de estudo, previsão e experimentação, e não somente de aventura.

São Paulo, É-Realizações, 2010, pág. 69

As artes não são negligenciadas por Gilberto Freyre; antes, recebem lugar de destaque em sua análise da civilização lusotropical, desde Luís de Camões até Fernando Mendes Pinto. A ciência lusotropical terá em Garcia d’Orta seu pioneiro. Freyre chamará a arte lusotropical de “uma arte simbiótica”.

O centro dessa obra será a demonstração de Gilberto Freyre dos aspectos gerais da integração dos portugueses aos trópicos, não apenas sem esquecer, mas dedicando dois capítulos à fundamental ação do Cristianismo e da cristianização, principalmente da diferença entre o método português e dos europeus do Norte: o Cristianismo oral frente ao “Cristianismo bíblico”. Enquanto povos como os ingleses e holandeses – e mais adiante os belgas – preocupar-se-ão em “proteger” seus estilos de vida e até vestimentas, de qualquer influência dos povos colonizados, até os padres portugueses adaptarão as vestes sacramentais – usando materiais mais leves, as alargando e clareando um pouco – para serem melhor recebidos pelos povos tropicais, em especial na Índia, obtendo assim melhores resultados na cristianização, enquanto os leigos misturar-se-ão e formarão famílias, em uma integração sem precedentes, inclusive incentivada e promovida pelo infante Dom Henrique, ao qual Gilberto Freyre dedica dois capítulos.

Um capítulo é dedicado ao estudo da transmutação da língua portuguesa nas colônias, algo que hoje é foneticamente perceptível, mas à época estava em processo de desenvolvimento. A pluralidade da língua portuguesa nos trópicos, através das influências dos diversos povos autóctones, recebe atenção diferenciada do autor, que também analisa seus reflexos no processo sociológico de integração.

Por fim, o último capítulo será uma reavaliação e análise dos demais, “catalogando” os aspectos gerais abordados nesta obra, que talvez seja o ápice do trabalho de retratação histórica dos caluniados portugueses, iniciado com Casa-Grande & Senzala (que chegou a ser queimado em praça pública por defensores do revisionismo histórico ligados a movimentos marxistas, usando da acusação de “linguagem imprópria” e até “obscena” para angariar apoio da Igreja; conseguindo apenas “justificar” a participação de antecessores da Teologia da Libertação nessa empreitada), aclamada como Magnum opus de Freyre.

Ao leitor que goste, ou esteja interessado em iniciar estudos sociológicos sobre o desenvolvimento da civilização lusotropical (inclui Brasil, Goa, Guiné etc), essa obra de Gilberto Freyre não pode faltar na estante.

- Advertisement -spot_img

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

ENSAIO丨Quantas Medéias rondam nossas crianças?

Neste mês especial, pois dedicado às crianças, cujo dia homenageia também a Nossa Senhora de Aparecida — e que...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img