A alta cultura está morta?