23.6 C
São Paulo
domingo, 19 setembro, 2021

Polícia Nacional espanhola investiga assassinato de brasileiro

Revista Mensal
Roberto Lacerda
Roberto Lacerda Barricelli é jornalista, assessor e historiador. Foi correspondente do Epoch Times e colaborador em diversos jornais, como Jornal da Cidade Online, O Fluminense, São Carlos Dia e Noite, Diário da Manhã, Folha de Angatuba e Jornal da Costa Norte.

Crime ocorreu na madrugada do sábado (3) em La Coruña e até o momento três pessoas foram detidas

Na madrugada deste sábado (3), em La Coruña, Espanha, o brasileiro Samuel Luiz Muñiz (24 anos), foi espancado e assassinado, perto de uma boate. Samuel era enfermeiro e estava na Espanha desde um ano de idade. Segundo o jornal espanhol ABC, ele saiu “de um local” para fumar e iniciou uma videochamada, mas outros jovens que passavam por ali acharam que estavam sendo filmados e iniciaram as agressões. Não se sabe o que esses jovens estavam fazendo, que não queriam que tinham tanto receio de que fosse filmado.

Ainda segundo o ABC, três pessoas foram presas por suposta participação no crime, sendo dois homens e uma mulher, entre 20 e 25 anos. A Polícia Nacional da Espanha informou sobre a detenção através de perfil oficial na rede social Twitter.

O El Mundo informou que o delegado do Governo da Galicia, José Miñones, trabalha com a hipótese de que sejam até sete agressores, não descartando que haja mais detenções nas próximas horas. Na mesma matéria, o jornal afirma que o primeiro agressor teria dito para Samuel para de o gravar e chamado ao barsileiro/espanhol de “maricón”, uma palavra muito usada como gíria e também insulto, porém, a informação seria de “fontes “não oficiais”.

Crime de ódio?

Além do suposto uso de “maricón”, pelo primeiro agressor, somasse o fato da vítima ser homossexual. Portanto, a Polícia Nacional investiga se houve motivação discriminatória na consecução do crime. Nos informes policiais não constam referência a discriminação por causa da sexualidade da vítima e – até o momento – a Polícia não considera que se trate de crime de ódio. As investigações continuam em aberto.

Grupos de ativismo LGBT+ alegam que o crime foi motivado por discriminação e ódio a Samuel, pelo fato dele ser homossexual, apesar de não haver evidências e as investigações da polícia não terem confirmado essa hipótese. Em outra matéria no ABC, esta do colunista Carlos Hidalgo, houve cobertura de protestos em La Coruña.

Depredação e confronto com a Polícia Nacional

Cerca de 4 mil pessoas participaram do ato contra o assassinato de Samuel e a suposta motivação de crime de ódio. Ao final, aproximadamente 70 pessoas depredaram patrimônio urbano, insultaram a polícia, que fazia a segurança do ato, e agrediram alguns agentes policiais. A Polícia reagiu e um jovem espanhol de 25 anos acabou detido.

O governo local afirmou em comunicado que lamenta os incidentes, provocados por “vários grupos de ideologia radical de extrema esquerda“.

Com informações de El Mundo e ABC.es


O pesar e o prazer andam tão emparelhados que tanto se desnorteia o triste que desespera quanto o alegre que confia.

– Miguel de Cervantes

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

PATRIMÔNIO E MEMÓRIA丨O lusotropicalismo em Gilberto Freyre

Roberto Lacerda recorda o clássico "O luso e o trópico" para honrar a memória de Gilberto Freyre, cuja reflexão...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img