22 C
São Paulo
quinta-feira, 26 maio, 2022

OPINIÃO丨”Digam ao povo que fico com os fascistas!”

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

O processo de Independência, assim como outros capítulos da história do Brasil, é fonte infindável de alimento para os desconstrutivistas

Há exatos 200 anos, no dia 9 de janeiro de 1822, D. Pedro I, o então Príncipe-Regente, decide, para “o bem de todos e felicidade geral da Nação”, ficar no Brasil. Era uma reação às Cortes de Lisboa que, receosas — e prevendo — uma separação definitiva do Brasil, exigiam a presença do Príncipe em Portugal. D. Pedro nega-se a partir. A decisão do herdeiro dos Bragança atendia aos interesses da elite brasileira que, depois de experimentar as benesses que o status de Reino Unido com Portugal lhe conferia, sentia a urgência de defender a conjuntura política legada por D. João VI.

Colocado nestes termos, no entanto, embora não integralmente incorretos, o quadro histórico bicentenário soa não mais do que uma disputa pelo poder entre duas forças antagônicas. A realidade, porém, é mais complexa do que a narrativa dos professores marxistas pode abranger. Dizer que o episódio do Dia do Fico e o consequente grito da Independência, nove meses depois, fora mais um dos exemplos da velha luta de classes é um desleixo com a própria percepção da realidade. Havia o povo, havia a Igreja, havia — muito para além dos injustamente atacados interesses econômicos — uma verdadeira plêiade de demandas populares cujo propósito maior era fazer o Brasil.

O processo de Independência que começara em janeiro, com o fico de D. Pedro, e que culminaria com o brado do Príncipe-Regente às margens do riacho do Ipiranga, teve, naturalmente, a atuação dos seus agentes históricos principais: a Igreja e a Maçonaria. Ao povo, que já se habituara a esperar dos seus líderes políticos todas as respostas para os problemas da vida, coube testemunhar as primeiras consequências da decisão do Príncipe-Regente. A maior de todas, como sabemos, não tardou, levou o tempo de uma gestação: de janeiro a setembro de 1822.

Mas e o povo? Depois de pelo menos um século e meio de impregnação ideológica na narrativa histórica — e, principalmente, depois da completa tomada dos campus universitários, das redações de jornais e dos veículos de cultura geral pela mentalidade revolucionária — é bastante evidente que a interpretação dos fatos históricos tivesse de sofrer uma significativa perda qualitativa. O povo brasileiro fez o que é natural a qualquer povo de qualquer época na História: aliou-se à elite. Sim, porque ela, como é esperado em situações normais — nas quais as demandas da sociedade não implicam numa quebra da ordem estabelecida, como é observado nas revoluções — tomou a dianteira da defesa dos interesses do Brasil.

Antes que algum jovem universitário que ainda não tenha dominado as regras de acentuação da crase mas que se arrogue o direito de palpitar sobre a plêiade dos assuntos universais — tais como os projetos de sociedade perfeita — acuse o autor deste artigo de ser “elitista”, “exclusivista”, “preconceituoso”, “nacionalista” e — o melhor — “fascista”, é necessário explicar a acepção do termo “elite” aqui empregado. Objetivamente, a Elite é o que há de melhor na sociedade; são os mais capazes nas mais diversas áreas de atuação que, somados, perfazem um corpo robusto, a classe dos dirigentes sem a qual a sociedade perde-se nos devaneios de um igualitarismo incoerente.

Basta observar o vigor intelectual de José Bonifácio, o Patriarca da Independência, ou o cultivo da alta cultura celebrado pelos estadistas do Império, para perceber que a Elite que fizera o Brasil atendia às demandas da busca pelo bem comum. Numa sociedade na qual os seus elementos constituintes — nominalmente os políticos, os intelectuais e o povo — não coexistem num ambiente harmônico, a coesão fatalmente torna-se impossível; o estado de revolução assume a dianteira do fracasso. Ora, os homens que fizeram o Brasil doaram-se à construção daquele “Império miscigenado” que agora, passados dois séculos, jaz sob o poder daqueles mesmos revolucionários que, contrariados minimamente, rotulam os seus desafetos de “fascistas”.


Fontes: de Carvalho, Olavo, O futuro do pensamento brasileiro — Estudos sobre o nosso lugar no mundo — Vide Editorial Editora, 4ª edição, Campinas, SP, 2016; de Carvalho, Olavo, A Nova Era e a Revolução Cultural, Vide Editorial Editora, 4ª edição, Campinas, SP, 2014; de Oliveira Lima, Manuel, Formação histórica da nacionalidade brasileira, Folha de S. Paulo Editora, São Paulo, SP, 2000; Gomes, Laurentino, 1822, Nova Fronteira Editora, Rio de Janeiro, RJ, 2010.

Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto. Digam ao povo que fico!

D. Pedro I

Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img