A Policía Civil aguarda laudo para saber se o bebê estava vivo quando a mãe ateou fogo

Nesta quarta-feira (12), a Polícia Civil de Anápolis prendeu I. F. B, 24 anos, (apenas as iniciais do nome foram reveladas) acusada de matar o filho recém-nascido e ocultar seu cadáver. Ao ser interrogada, a mulher alegou ter amamentado o bebê no primeiro dia de vida e disse que não sabia se o bebê estaria vivo ou morto quando o colocou no terreno baldio em uma caixa de papelão e ateou fogo em seu corpo. Ela também disse que escondeu a gravidez da família.

Momento no qual ela ateia fogo no bebê e foge

A mulher disse em depoimento que cometeu o crime porque estava com muita vergonha de ter a gravidez descoberta. Ao delegado do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH), Wllisses Valentim, ela contou que ninguém podia saber da gestação. Que seu pai mora no exterior e a mãe vive acamada, portanto ela não receberia bem a notícia da gestação.

As informações ainda não foram confirmadas pela delegacia, que também não sabe quais os problemas de saúde que a avó do bebê supostamente possui.

Segundo ela, a mãe é muito doente e até morreria se soubesse, ela estava com muita vergonha de ter sido descoberta, não queria o bebê e queria se desfazer dele.

– Wllisses Valentim, Delegado.

O namorado da mulher e pai do bebê contou ao Notícias Chapecó que ao saber da gravidez, eles resolveram realizar o aborto e que a mulher mentiu para ele dizendo que havia dado certo. O homem também será investigado para confirmar se teve envolvimento no crime.

Segundo o delegado, a jovem escondeu a gestação com cintas para pressionar a barriga, chegou a chorar durante o interrogatório, mas estava irredutível da sua decisão de não ter o filho.

Ela estava decidida a não ter o bebê e segundo ela o recém nascido estava com o corpo quente, quando foi colocado na caixa de papelão.

– Wllisses Valentim, Delegado.

Após o laudo cadavérico feito pelo Instituto Médico Legal (IML), que deve ficar pronto em até 15 dias, a polícia saberá se o bebê estava vivo quando a mãe lhe ateou fogo.

Terreno onde o crime ocorreu foi interditado

Segundo o Portal G1, corpo do bebê foi encontrado por moradores da região, após um cachorro arrastá-lo pela rua, na manhã desta quarta-feira (12), parcialmente carbonizado. Uma das partes do corpo do bebê, que não foi carbonizada, era justamente onde havia a identificação do hospital e com o nome da mãe. Segundo a Polícia Civil, o bebê teria cerca de uma semana de vida.

Um vídeo mostra quando a mulher para com o carro em frente ao terreno baldio, desce com o bebê que estava dentro da caixa de papelão e entra no terreno. Ela retorna ao carro e pega o galão com álcool para atear fogo no corpo do próprio filho.

Como foi presa em flagrante pelo crime de ocultação de cadáver, a acusada deve aguardar os próximos andamentos do processo na penitenciária da cidade. Ela também deve ser indiciada por homicídio.

Com informações do Notícias Chapecó, Portal G1 e JA2 (Vídeo)


Onde acaba o amor têm início o poder, a violência e o terror.

– Carl Jung

Gosta de nosso conteúdo? Assine Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

fim
Revista Esmeril - 2021 - Todos os Direitos Reservados

Leave a Comment

This div height required for enabling the sticky sidebar