23.5 C
São Paulo
sábado, 28 maio, 2022

CRÔNICA | Meio corporativo

Revista Mensal
Vitor Marcolinhttps://lletrasvirtuais.blogspot.com/
Apenas mais um dos milhares de alunos do COF. Non nobis Domine.

Uma crônica tragicômica

Estávamos a alguns passos da estação Brigadeiro onde, sentados em torno duma mesinha, esperávamos pelo café. — Treze meses?! — perguntei quase gritando antes de sorver o conteúdo da pequena xícara servida pelo garçom. — Sim, treze meses — asseverou o amigo que me acompanhava no café. Era o início do outono paulistano, estação melhor percebida (e observada) à tarde, na calçada de alguma avenida larga por onde o arzinho gelado circula melhor.

Vínhamos da missa. Cumprimos o preceito às 15 horas daquela tarde e, sentados no café, ocupávamo-nos de um assunto ordinário, mas interessante: a demissão de uma amiga sua. Eu não conhecia a moça que tomara o rumo da rua, mas o amigo falava com um estranho entusiasmo (eu diria descabido, mas ele não aprovaria), que eu não pude deixar de me interessar. Como sou miserável: o friozinho, o café (que agora fazia par com uma porção de pãezinhos de queijo que o garçom trouxera) e a conversa fizeram-me esquecer por completo que, há quarenta minutos, eu estivera na missa. E comungara.

— Ela foi demitida depois de não cumprir com a meta de vendas durante treze meses seguidos — continuou o amigo — O ponto é que, quando minha amiga foi convidada a se retirar, um funcionário novo tomou o seu lugar. Ele trouxe consigo uma atmosfera de desconfiança para o nosso ambiente de trabalho. A demissão dela foi repentina. Da noite para o dia nossa amiga, por quem nutríamos afeto verdadeiro, foi substituída veja você. Olha, toda a gente ficou arrasada — concluiu meu camarada.

— Garçom — disse eu — Por favor, mais um cafezinho. Obrigado — Ah, sim — emendei antes que o prestimoso miúdo se afastasse — E mais uma porção desses pãezinhos de queijo maravilhosos.

O garçom foi-se lá para dentro e nós ouvimos uma pequena discussão, parecia-nos que o seu chefe estava, sem medir palavras, aplicando-lhe uma soberba bronca. — Pô, rapá, faz o teu serviço ligeiro! Aqui não é lugar de lesma, não! Ouviu?! — disse o superior do miúdo. A mim pelo menos não pareceu que o pobre garçom servia com morosidade, mas seu chefe, esquentadinho, era claramente da opinião contrária, a ponto de fazer uso de um palavreado impublicável.

O burburinho que vinha da cozinha cessou. Por um longo tempo o garçom não deu o ar de sua graça tão prestativa. — Ela chorou antes de ir embora; e chorou lá mesmo, diante de todo mundo — disse o amigo, enquanto mordiscava um pãozinho de queijo.

— Nós perdemos a confiança na empresa, no chefe, nos colegas de trabalho e… — ele suspendeu a frase para engolir o bocado que estava mastigando — …no sistema, meu caro! Perdemos a confiança no próprio sistema! — concluiu.

Gosto de observar, de ouvir, de tomar nota do que se passa. Falei pouco. Preferia ouvir. Mas tive de intervir nesse momento: — Por quê? Foi só uma demissão; não foi o Apocalipse. Uma demissão parece o fim do mundo pra você? — perguntei.

— Não foi só isso — ele voltou a falar ao mesmo tempo em que tentava saborear o pão de queijo. Tossiu, bebeu café, suspirou, olhou pela janela… Era quase noite. O frio aumentara. Percebi que ele olhava para a entrada da estação. — Quer ir embora? — perguntei. — Ainda não — ele respondeu.

— Veja — ele continuou, mas agora falando mais seriamente — O clima de desconfiança no nosso ambiente de trabalho ficou insuportável. Eu percebi que eu e meus colegas éramos substituíveis, absolutamente substituíveis. Nenhum laço de camaradagem, de afeto ou de amizade poderia impedir que, numa manhã qualquer, ao chegar para a labuta cotidiana, eu fosse simplesmente demitido. Mais do que isso: substituído — ele completou.

— Posicionei-me contra aquilo, contra tudo aquilo — concluiu o amigo.

— Caramba! — reagi– E qual foi o desfecho? — perguntei olhando de soslaio para a cozinha do café desejando que o garçom saísse de lá com a minha porção de pão de queijo. — Fui demitido também — o amigo respondeu. Houve um silêncio inesperado…

— Minha Nossa Senhora!, o que é isso? — gritei. Uma série de estrondos provenientes da cozinha deixou-nos apreensivos: ouvíamos, preocupados, o renascimento da discussão entre o garçom e o seu chefe. Mas agora quem ditava era o miúdo. Ambos saíram da cozinha e a peleja deu-se ali, diante de nossos olhos: pratos voadores cuja trajetória alternava-se entre a careca do chefe e as paredes do estabelecimento espatifavam-se em mil pedaços – e assim como a louça, os talhares, os vasos de flores, qualquer objeto ao alcance das mãos do miúdo era atirado contra o seu chefe. Num momento, atônito, eu pude ver alguns pães de queijo fazendo as vezes de peças de artilharia.

Olhei para o meu amigo: o sujeito tinha uma expressão cômica na cara, parecia que se esforçava para conter o riso. — Vamos embora! — disse eu. — É, isso aqui é uma loucura — ele respondeu. Enquanto ouvíamos os impropérios, os estalos das coisas quebrando e as inúteis intervenções dos outros clientes, levantamo-nos e tomamos o rumo da saída. Mas, não. Antes de atravessarmos a porta estacamos: e a conta?

O garçom, com o olho direito roxo, os cabelos desgrenhados e a camisa de alfaiataria rasgada, percebeu que estávamos cansados do espetáculo e que iríamos embora. Como um verdadeiro gentleman que conhece o seu dever, o homem suspendeu a peleja, ajeitou o colarinho (sem perceber que perdera a gravata-borboleta), foi até nossa mesa, apanhou a nossa comanda e calculou quanto devíamos pelos cafés e os pães de queijo. Meu amigo, boquiaberto, não aceitou dividir: pagou a conta inteira. Antes que desaparecêssemos sob a entrada do metrô voltamos a ouvir os sinais temerosos da suspensão do armistício. Sentados no banco do vagão, não ousamos dizer mais nada sobre a amiga demitida.

***


Gosta do nosso conteúdo? Assine a Esmeril, tenha acesso a uma revista de alta cultura e ajude a manter o Esmeril News no ar!

Esmeril Editora e Cultura. Todos os direitos reservados. 2022
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais do Autor

CRÔNICA丨Perda

Afrânio era um aprendiz de tipógrafo na Corte que, depois do trabalho nas oficinas da Rua da Guarda Velha,...
- Advertisement -spot_img

Artigos Relacionados

- Advertisement -spot_img